Clique e assine a partir de 9,90/mês

OAS já tem interessados em comprar seus ativos, diz jornal

A empreiteira enfrenta dificuldade para se financiar no mercado depois que seu nome foi envolvido nas investigações da Operação Lava Jato

Por Da Redação - 15 Jan 2015, 11h59

A OAS já tem entre 20 e 30 interessados em comprar seus ativos, entre investidores brasileiros e grupos da Ásia, Oriente Médio, Europa, Canadá e Estados Unidos. A informação foi publicada nesta quinta-feira pelo jornal Valor Econômico. O interesse, contudo, ainda é preliminar porque o processo formal de venda ainda não começou. A empresa anunciou a contratação dos escritórios de advocacia Mattos Filho e White & Case para assessorá-la nas negociações.

“A companhia pretende apresentar um plano de reestruturação financeira a todos seus credores e também informou que adotou um plano de redução de despesas expressivo e estuda a venda de determinados ativos para reforçar sua liquidez”, afirmou a OAS, em comunicado, no início de janeiro.

Na lista está a participação de 24,4% da empreiteira na Invepar, concessionária do Aeroporto de Guarulhos, de rodovias e metrô. Só essa fatia é avaliada em 2,7 bilhões de reais, segundo o fundo de pensão Petros, que detém fatia praticamente igual na empresa de concessões de infraestrutura. Além disso, podem ser colocados na mesa de negociação as empresas de saneamento Samar (Araçatuba) e Sagua (Guarulhos), três estádios de futebol (Grêmio, Dunas e Fonte Nova), a participação acionária no estaleiro Enseada do Paraguaçu (Bahia), o Porto Novo (Rio), a OAS Óleo e Gás e diversos empreendimentos residenciais.

Leia mais:

Continua após a publicidade

OAS já deixou de pagar R$ 117,8 milhões a credores

OAS vai reduzir despesas e pode vender ativos para pagar dívidas

STF nega liberdade a executivos da OAS

A OAS é a primeira das empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato que passa por dificuldades financeiras. A companhia já deu dois calotes no mercado financeiro neste mês, totalizando 117,8 milhões de reais. O crédito do mercado secou após as denúncias de corrupção na Petrobras estourarem também para o lado das construtoras que firmaram contratos com a petroleira, acusadas de formação de cartel em licitações da estatal.

Publicidade