Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O recuo pontual de Lula no rascunho do plano de governo

Programa retira a palavra revogação da reforma trabalhista de suas metas e é mais pragmático em relação ao plano, deixando a questão aberta a interpretação

Por Larissa Quintino Atualizado em 21 jun 2022, 13h55 - Publicado em 21 jun 2022, 10h33

Um dos pontos que mais abre discordância entre os grupos e correntes de economistas envolvidos no plano de governo do pré-candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é a reforma trabalhista. Aprovada em 2017 durante o governo de Michel Temer, Lula prometeu, em diversas ocasiões, a revogação da legislação aprovada, tanto que a proposta foi parar no seu primeiro rascunho de governo. Com a repercussão pouco simpática do empresariado — estrato no qual o ex-presidente tenta diminuir a resistência a seu nome — e até mesmo de pessoas ligadas a sua campanha, Lula aparentemente recuou, ou pelo menos tenta demonstrar isso.

No novo rascunho feito pelo PT, que começou a circular nesta terça-feira, 21, não há a menção expressa na revogação da reforma trabalhista, como estava na diretriz publicada em 6 de junho.  O plano do PT inclusive cita que o “financiamento solidário e democrático da estrutura sindical” será respeitado, ou seja, sem a volta do imposto sindical extinto pela reforma de 2017. O plano de Lula, no entanto, fala em uma nova legislação trabalhista, e não enterra definitivamente a decisão de mudar pontos da reforma de Temer, como o fim da gratuidade em honorários advocatícios em ações judiciais ajuizadas por trabalhadores, nominalmente citada na proposta.

“O novo governo irá propor, a partir de um amplo debate e negociação, uma nova legislação trabalhista de extensa proteção social a todas as formas de ocupação, de emprego e de relação de trabalho, com especial atenção aos autônomos, aos que trabalham por conta própria, trabalhadores e trabalhadoras domésticas, teletrabalho e trabalhadores em home office, mediados por aplicativos e plataformas, revogando os marcos regressivos da atual legislação trabalhista, agravados pela última reforma e reestabelecendo o acesso gratuito à justiça do trabalho”, escreve o partido, justamente no ponto 13 do plano.

Ao optar por uma linha mais pragmática, Lula tenta acenar mais ao centro e não desagradar sua base, deixando em aberto o que realmente pretende mudar nas regras trabalhistas caso saia vencedor em outubro de 2022.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)