Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

O recado de Rodrigo Pacheco sobre a privatização da Petrobras

Presidente do Senado diz que desestatização da petroleira é complexa e que não há tempo para efetuar estudos e levar o tema ao plenário antes das eleições

Por Felipe Mendes Atualizado em 17 Maio 2022, 10h09 - Publicado em 12 Maio 2022, 15h46

O anúncio de interesse na privatização da Petrobras por parte do governo não agradou ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Por mais que defenda uma agenda de reformas estruturantes, sendo a desestatização da petrolífera um caminho para o aumento da competitividade e a diminuição dos preços no setor de óleo e gás do país, Pacheco sabe que discutir algo tão complexo e divisor de opiniões a poucos meses de uma eleição presidencial é um completo desatino. “Eu acho importante que tenhamos um estudo aprofundado sobre possibilidades relativamente à Petrobras. Mas não considero que esteja no radar ou na mesa de discussão neste momento a privatização da empresa porque o momento é muito ruim para isso”, disse ele, nesta quinta-feira, 12.

A discussão ganhou força após a nomeação de Adolfo Sachsida como ministro de Minas e Energia. Ele afirmou que pedirá estudos ao governo sobre uma eventual privatização da Petrobras e da Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA) – estatal responsável por gerir os contratos da União no pré-sal. Ex-secretário do Ministério da Economia, Sachsida disse, ainda, que tem “o aval e o apoio de 100%” do presidente Jair Bolsonaro para tal função. Sabe-se que o governo tenta viabilizar a privatização da PPSA desde 2019, mas, em relação à Petrobras, a complexidade da operação deverá levar a anos de estudos sobre o tema — portanto, não seria algo que aconteceria neste governo.

Pacheco sabe disso e ponderou a situação para uma eventual privatização da Petrobras. “Essa definitivamente não é uma solução de curto prazo. Não se tem compreensão nem se é uma solução de médio e longo prazos. Estudos podem ser feitos, é o papel do ministro fazer todos estudos necessários. Mas entre o estudo e a realidade de concretização disso há uma distância muito longa e da qual o Congresso Nacional não se apartará”, acrescentou.

Segundo ele, apesar do momento difícil causado pelo aumento dos combustíveis e dos ganhos da estatal com a valorização do petróleo, é preciso reconhecer que a Petrobras é um “ativo nacional, que é uma empresa bem-sucedida no nosso país e que precisa ser valorizada”. Em busca de uma solução para a alta dos preços da commodity, que resulta em uma reação em cadeia para a inflação do país, o presidente do Senado também defendeu que seja feita uma reunião de governadores para que o tema seja discutido como cada ator envolvido no processo pode contribuir para a contenção dos aumentos nos preços dos combustíveis. “Não há vilão ou mocinho nessa história. Temos de encontrar os caminhos que sejam possíveis e que possam não sacrificar os estados, a União ou a Petrobras. Ninguém quer sacrifício absoluto de ninguém a ponto de inviabilizá-los, mas todo mundo quer a colaboração de todos”, declarou.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês