Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que está por trás da disparada do dólar no mercado global

Juros dos títulos do tesouro americano sobem com a expectativa sobre a recuperação da economia do Estados Unidos

Por Luisa Purchio Atualizado em 30 mar 2021, 13h09 - Publicado em 30 mar 2021, 12h33

A ampla vacinação da população americana e os trilionários pacotes de estímulo à economia causaram a disparada dos juros dos títulos do Tesouro Americano para dez anos, os papéis mais cobiçados do mundo, por representarem dívidas do governo americano, detentor do dólar. Na manhã desta terça-feira, o juro crescia 0,02% e operava a 1,74%. Na segunda, os chamados yields, os juros desses papéis, encerraram a 1,73%, o maior nível desde o dia 23 de janeiro de 2020, quando a pandemia se iniciava a partir da província de Wuhan, na China.

A elevação dos yields ocorre quando o seu preço cai e é isso que está ocorrendo. Com mais apetite ao risco, os investidores americanos estão otimistas sobre a superação da pandemia no país e se desfazendo dos seus títulos. Ontem, a Casa Branca informou que, até o dia 19 de abril, 90% dos adultos poderão tomar a vacina contra a Covid-19. Nesta terça-feira, 30, o estado de Nova York começou a vacinar as pessoas acima de 30 anos.

Reagindo à valorização dos títulos americanos, o DXY continuava em alta na manhã desta terça-feira. O índice mede a força do dólar em relação a uma cesta de moedas, a principal delas o euro, e na segunda-feira fechou em 92,94, o número mais alto desde novembro de 2020.

Para estimular ainda mais o mercado, o Federal Reserve prepara um novo pacote de estímulos à economia com foco em investimentos em infraestrutura, estimado em 3 trilhões de dólares. Nesta manhã a Casa Branca informou que o pacote será divulgado na quarta-feira, 31, bem como o seu financiamento. A ideia é, com os estímulos, aproveitar a “oportunidade de rebalancear” o sistema tributário americano.

BOLSAS CAEM

A alta relevante dos yields está levando a uma realização de lucros nos mercados e as principais bolsas americanas operavam em baixa. A quebra do hedge fund Archegos contribui com a queda por levar grandes bancos a prejuízos bilionários. Estima-se que o Crédit Suisse possa ter perdido 7 bilhões de dólares.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)