Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

O mercado já mapeia oportunidades de um eventual governo Lula

Meio esperançosos, muito analíticos, alguns céticos, investidores aguardam e interpretam sinalizações do petista para tomar decisões

Por Victor Irajá Atualizado em 20 jan 2022, 11h36 - Publicado em 20 jan 2022, 11h28

Na ausência de uma Carta ao Povo Brasileiro, os donos do dinheiro no Brasil estão mais analíticos, e aproveitando fiapos de informação econômica que são deixados. Mapeando a liderança de Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, nas pesquisas de intenção de voto, entes do mercado já começam a precificar um novo governo Lula. Entre investidores, aparece certo otimismo — e um pouco de wishful thinking — em relação a qual Lula ocuparia o Palácio do Planalto, mas sem as indicações concretas de seus planos de governo. A defesa do ex-tucano Geraldo Alckmin como vice virou um ativo interessante para o mercado. Economistas e investidores comentam, entre grupos de WhatsApp e cafezinhos na Faria Lima, que Alckmin é uma sinalização importante de que o PT manteria-se equilibrado entre a retórica para manter sua base e a adoção de propostas não tão heterodoxas. Mas não é só isso.

Jogando parado e falando para sua base, Lula faz alguns movimentos que parecem calculados — mas, ainda, um pouco com ressentimento. Sinaliza a revisão da reforma trabalhista do ex-presidente Michel Temer, enquanto deixa claro que deve manter intactos os pontos mais importantes das alterações — como mostrou o Radar Econômico. Até o ex-presidente Temer minimizou as intenções de Lula. Mapeando o que o pré-candidato diz e faz nos bastidores, o mercado começa a avaliar oportunidades num possível novo governo petista. Começa a calcular quais os setores poderiam ser beneficiados por um eventual novo governo Lula, olhando para o passado. A expectativa de mais políticas de distribuição de renda estimulam investimentos no varejo. Com uma tendência por mais investimentos públicos, entes do mercado começam a olhar com mais carinho para papéis da construção civil. No pregão desta quarta-feira, 19, na esteira de uma entrevista de Lula a sites de esquerda, o Ibovespa fechou em alta de 1,26%, aos 108.013 pontos. O dólar caiu 1,70%, a 5,465 reais.

O ex-presidente ainda não escolheu um “Posto Ipiranga” que sinalize ao mercado os ditames de sua política econômica. E não vai ser tão cedo. Uma pessoa próxima ao ex-presidente afirma que ele vai demorar para dar essa sinalização, e só deve fazê-la se oscilar negativamente nas pesquisas, para arraigar outras esferas do eleitorado. “Lula não tem em quem confie para deixar a economia na mão. Não vai deixar na do Aloizio Mercadante, do Nelson Barbosa ou do Guido Mantega. Até que tenha a noção do tamanho do problema, vai medir quem ele tem buscar. Ele vai ser forçado a fazer isso se oscilar”, diz essa fonte. Outro nome que fez parte das gestões petistas afirma que Lula não adotará medidas radicais no campo econômico, mas que está priorizando o diálogo com o mercado por meio de alianças políticas, não com economistas que possam ser apontados como futuros membros de uma eventual equipe econômica.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês