Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O apetite chinês por negócios no Brasil

Se no passado as empresas chinesas procuravam as brasileiras para aprender, agora chegam para investir e trazer novas tecnologias

O Brasil recebeu quatro grandes ondas migratórias da China. A primeira, há mais de dois séculos, ocorreu por um convite de dom João VI para que camponeses de Macau viessem plantar chá em terras brasileiras. A segunda foi de capitalistas chineses que fugiam do regime comunista de Mao Tsé-­tung, no fim da década de 40. A terceira começou vinte anos depois, quando centenas de famílias abandonaram a China para escapar da miséria e se tornaram pequenos comerciantes no Brasil. Muito diferente das anteriores, a atual onda migratória é composta de executivos de grandes corporações, jovens engenheiros e empreendedores que desembarcam no Brasil para fazer negócios. Nos dois últimos anos, o capital de origem chinesa liderou a aquisição de empresas no Brasil.

Se no passado as empresas chinesas procuravam as brasileiras para aprender, agora chegam para investir e trazer novas tecnologias. Foi assim com a compra do aplicativo de transporte 99, pela DiDi Chuxing, no início do ano. A empresa brasileira sabia que, sozinha, teria dificuldade para enfrentar o avanço do Uber no mercado brasileiro. Por isso foi buscar na Ásia a parceria com um competidor que poderia enfrentar a empresa americana de igual para igual. Na transação, a brasileira foi avaliada em 1 bilhão de dólares, o que dá a dimensão da relevância estratégica do mercado brasileiro para os chineses. Além do aporte financeiro, a DiDi trouxe tecnologia. Um time de oitenta profissionais chineses, em sua maioria engenheiros, está em São Paulo trabalhando em parceria com os colegas locais.

Esses técnicos trazidos pela DiDi fazem parte de um exército de 30 000 chineses que adquiriram visto de permanência no Brasil na última década. Nesse período, empresas do país asiático investiram quase 100 bilhões de dólares em compras de companhias e projetos brasileiros, sobretudo na área de infraestrutura.

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Quando a coisa envolve o Partido Comunista Chinês boa coisa não é. Para cada empresa instalada na China existe um agente do partido para inspecionar e para exercer os interesses do partido. O lance da China Comunista não é capitalismo mas dominação

    Curtir

  2. Parece que o Brasil está fadado mesmo a acabar. Em muito breve, seremos chineses, ou melhor, colonos da China. Somo brasileiros, então, talvez a mudança não venha a ser tão ruim. O risco maior é para eles.

    Curtir