Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O ano eleitoral de 2022 foi o de menor negociação de estatais desde 2010

O volume de negociação das empresas públicas cresceu 13,1% até o dia 16 de dezembro, duas vezes menos que os 29,7% registrados na reeleição de Dilma

Por Luana Zanobia 22 dez 2022, 16h15

As eleições sempre foram vistas com cautela pelos investidores devido ao enorme potencial do evento gerar volatilidade no mercado acionário. Neste ano, embora os dois nomes principais da disputa já fossem conhecidos do mercado, o volume de negociações nas empresas estatais registrou o pior desempenho para anos eleitorais desde 2010.

O volume de negociação das empresas públicas aumentou 13,1% até o dia 16 de dezembro, duas vezes menos que os 29,7% registrados em 2014, quando Dilma Rousseff (PT) disputava a reeleição, segundo o Índice de Bolsas Estatais da Teva Indices.

Apesar do desempenho baixo para anos eleitorais, o volume registrou um resultado melhor do que em 2015, quando a quantidade de ativos negociada ficou negativa em 25,2%, e do que nos anos de 2017 e 2021, que trouxeram crescimentos baixos de volume, de 1,8% e 4,9%, consecutivamente. Porém, comparado aos demais anos eleitorais, o saldo foi bastante inferior. Em 2018, o volume de negociação cresceu 89,7% e em 2006, quando Lula disputava o segundo mandato, alcançou 92,1%.

Há dois meses, dias antes da eleição no segundo turno, o retorno das ações das estatais no acumulado do ano era de 33%, mas caiu para 24,2%, influenciado pela queda no volume nos últimos meses. Novembro e dezembro registraram o pior desempenho mensal de 2022 após as sinalizações negativas do governo Lula com alteração da Lei das Estatais e a indicação de nomes ligados à velha política do PT em cargos estratégicos do governo. Em novembro, o retorno mensal foi de 1,3%, o menor dos 12 meses, e afundou para 7,3% em dezembro.

Desde a vitória de Lula, as três maiores estatais brasileiras com ações negociadas na bolsa de valores (Petrobras, Banco do Brasil e Caixa Seguridade) já perderam mais de 130 bilhões de reais em valor de mercado até o dia 20 de dezembro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.