Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Novo pacote de Obama acaba com deduções fiscais

Companhias petroleiras, fundos de investimento e contribuintes de alta renda pagarão mais impostos

Por Da Redação
13 set 2011, 10h00

A Casa Branca mexeu em um vespeiro ao incluir o fim das deduções fiscais para companhias petroleiras, administradores de fundos de investimento e contribuintes com renda anual superior a 200 mil dólares em seu pacote de geração de empregos. Essas medidas deverão significar um aumento de 467 bilhões de dólares na arrecadação de tributos nos próximos dez anos e cobririam os 447 bilhões de dólares em gastos com novos benefícios fiscais e subsídios para estimular a economia dos Estados Unidos, explicou ontem o diretor do Escritório de Orçamento da Casa Branca, Jack Lew.

A solução, entretanto, causou fúria na oposição republicana, que promete complicar a tramitação da medida e contrariar o pedido de aprovação “imediata” do presidente dos EUA, Barack Obama. Pouco antes de ser entregue ao Congresso, o plano já provocava declarações irritadas dos opositores, até semana passada dispostos a aprovar as medidas.

“Seria mais justo dizer que esse aumento de imposto sobre empregadores é o tipo de compromisso que os dois partidos se opuseram no passado”, criticou o presidente da Câmara dos Deputados, o republicano John Boehner, ao se opor ao argumento da Casa Branca de que as medidas haviam sido apoiadas anteriormente por republicanos e democratas. “Tenha cuidado com o homem dos impostos”, escreveu o líder da maioria republicana na Câmara, deputado Eric Cantor, em um e-mail enviado para o seu eleitorado.

Ao apresentar o calhamaço, Obama reiterou o fato de o pacote “não adicionar um centavo ao déficit” público americano. “A economia mundial está plena de incertezas agora. Alguns eventos podem estar fora do nosso controle. Mas, isto (o pacote econômico) é algo que nós podemos controlar. Está em nossas mãos”, afirmou. “Temos de aprovar esta lei”, repetiu dez vezes em seu discurso.

Continua após a publicidade

Obama insistiu ontem que o pacote é totalmente “pago por si mesmo”. Os custos das medidas de incentivo à economia – obras de infraestrutura, prorrogação do seguro-desemprego, redução de impostos para empresas que contratarem desempregados há mais de seis meses e ajuda federal aos Estados e municípios para evitar demissões – serão compensados por decisões tópicas. Entre elas, a redução ou fim de deduções de impostos sobre doações filantrópicas. Essa solução tentava driblar a resistência dos republicanos a uma iniciativa defendida com exaustão pela Casa Branca – a eliminação das reduções fiscais para grandes companhias e para os contribuintes mais ricos.

(Com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.