Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Nova equipe abre diálogo com setor privado, dizem economistas

Especialistas acreditam que governo terá de trabalhar para trazer progressos contínuos, sob o risco de ver a confiança depositada desmoronar com o tempo

A posse de Michel Temer (PMDB) como presidente interino da República abre oportunidade para dar fim à crise política e econômica, diante da maior credibilidade da nova equipe e da capacidade de diálogo com o setor privado, avaliam economistas. O governo, contudo, terá de trabalhar para trazer progressos contínuos, sob o risco de ver a confiança depositada desmoronar com o tempo.

Temer assume a Presidência após o afastamento de Dilma Rousseff (PT) do cargo por até 180 dias. Para o economista Armando Castelar, coordenador de Economia Aplicada no Ibre/FGV, o governo que começa tem maior habilidade de negociação política e apoio no Congresso. Isso deve atenuar conflitos e ajudar na hora de aprovar medidas necessárias para recolocar o país em trajetória de crescimento.

“O fiscal é o mais importante, todo mundo reconhece isso. É difícil, mas é onde as expectativas estão mais colocadas. Eu entendo que há espaço para se avançar com a reforma da Previdência, que é muito importante em termos de dinâmica de longo prazo da dívida pública. É um tema que já vinha sendo defendido pela equipe que sai”, avaliou Castelar. “Não fazer o mínimo que o país precisa para resolver a questão fiscal é suicídio. A crise não vai se resolver só com a troca do nome”, acrescentou.

O economista-chefe da Opus Gestão de Recursos, José Marcio Camargo, afirmou que a reforma do Orçamento também deveria ser prioridade no governo Temer. O especialista defende um orçamento impositivo, em que o Congresso determine como os recursos arrecadados pelo governo federal serão gastos. Hoje, segundo ele, a prerrogativa do Executivo de gerenciar a execução das despesas estimula a criação de vinculações, engessando o orçamento.

Para o economista Júlio Miragaya, presidente do Conselho Federal de Economia (Cofecon), a presidente afastada já havia feito o “trabalho sujo” para ajustar a economia, como dar fim ao represamento nas tarifas administradas e no câmbio. Por isso, o cenário já estava mais favorável para qualquer governo que fosse adiante.

A necessidade de apoio no Congresso para realizar tais mudanças não será problema, avaliam os economistas, uma vez que as votações sobre o impeachment no Congresso já sinalizaram que Temer terá esse respaldo. Camargo ressaltou, porém, que qualquer reforma deve preservar programas de transferência de renda como o Bolsa Família. Além disso, a nova equipe deve evitar ao máximo elevar impostos. “Acho que é possível, se fizer ajustes do lado das despesas”, disse o economista da Opus.

Leia também:

Apple investe US$ 1 bilhão no Didi Chuxing, rival chinês do Uber

Prévia do PIB aponta queda de 1,44% no 1º trimestre, diz BC

(Com Estadão Conteúdo)