Clique e assine a partir de 9,90/mês

Nos EUA, bancos fecham acordos de U$18,5 bilhões

Instituições terão de ressarcir clientes por escândalo de embargos imobiliários. Cálculo envolve dois acordos diferentes

Por Da Redação - 7 jan 2013, 18h31

Dez bancos e instituições de crédito norte-americanos envolvidos em um gigantesco escândalo de embargos imobiliários aceitaram pagar 18,5 bilhões de dólares para ressarcir clientes afetados, anunciou nesta segunda-feira o banco central americano (Federal Reserve, o Fed).

A cifra refere-se a dois grandes acordos que foram fechados. Em um deles, de 8,5 bilhões de dólares, as empresas envolvidas são Aurora, Bank of America, Citibank, JPMorgan Chase, MetLife Bank, PNC, Sovereign, SunTrust, US Bank e Wells Fargo, detalhou o Fed em comunicado.

As instituições de crédito são empresas ou unidades que processam os pagamentos dos devedores em créditos hipotecários depois de que os mesmos são concedidos.

“O acordo garante que mais de 3,8 milhões de devedores cujas casas foram executadas em 2009 e 2010 com dívidas com as empresas envolvidas recebam indenização em dinheiro no tempo oportuno”, anunciaram o Fed e o OCC (Office of the Comptroller of the Currency) em nota.

Continua após a publicidade

Os devedores receberão indenizações que oscilarão entre algumas centenas de dólares e 125 000 dólares dependendo do tipo de erro da empresa de crédito.

BofA – Separadamente, o Bank of America (BofA) concordou em pagar mais de 10 bilhões de dólares para o Fannie Mae para resolver reivindicações de hipotecas problemáticas que se deterioraram durante a crise imobiliária, principalmente empréstimos emitidos pela subsidiária do banco Countrywide Financial.

Os dois acordos não são diretamente ligados, mas ilustram a extensão do papel dos bancos nos excessos que caracterizaram o boom do mercado de crédito americano, a partir da cessão de empréstimos para aquisição de imóveis.

A decisão do Fed foi tomada após a realização de uma auditoria independente.

Continua após a publicidade

(com Agence France-Presse)

Publicidade