Clique e assine a partir de 9,90/mês

Norte Energia negocia com grupos indígenas que protestam contra Belo Monte

Por Da Redação - 9 jul 2012, 19h59

Rio de Janeiro, 9 jul (EFE).- Os responsáveis pela Norte Energia, consórcio responsável pela construção de Belo Monte, iniciaram nesta segunda-feira uma negociação com os índios que ocupam o canteiro das obras há duas semanas em protesto pelo impacto que a hidrelétrica causará na Floresta Amazônica.

A reunião se estenderá até amanhã, por isso nenhum acordo deve ser estabelecido hoje, explicou uma porta-voz do consórcio à Agência Efe.

Cerca de 300 índios de seis etnias ocupam o sítio Pimental, principal local das obras, desde 21 de junho, segundo dados de várias organizações que apoiam o protesto. As obras na cidade de Altamira (Pará) estão paralisadas desde a semana passada ‘por motivos de segurança’ devido à ocupação, segundo a porta-voz.

Os índios assinaram hoje uma carta dirigida à presidente brasileira, Dilma Rousseff, para pedir a suspensão da construção da hidrelétrica e que o desejo dos povos nativos seja respeitado.

Continua após a publicidade

A construção de Belo Monte, que será a terceira maior hidrelétrica do mundo, conta com o apoio do governo brasileiro, que nega que a obra causará impacto nas terras indígenas da região.

A carta argumenta que as obras já estão afetando a qualidade da água do rio Xingu, que está ‘turva e insalubre’, o que impede os índios de se banharem e lavarem roupa e os obriga a realizar ‘longas caminhadas’ para buscar água potável, segundo o texto divulgado por ONG’s contrárias a Belo Monte.

Os indígenas também denunciaram que a construtora não está cumprindo com todas as exigências de redução de impacto ambiental da obra, iniciada em março do ano passado. EFE

Publicidade