Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

No Japão, criminosos roubam R$ 40 milhões de caixas eletrônicos

Estima-se que uma centena de pessoas tenha utilizado essas máquinas quase ao mesmo tempo; foram utilizados cartões falsos elaborados a partir de dados bancários

Uma coordenada e vasta operação de retirada fraudulenta de mais de 10 milhões de euros (o equivalente a 40 milhões de reais) teve como alvo há uma semana 1.400 caixas eletrônicos no Japão, informaram nesta segunda-feira o banco sul-africano vítima do roubo e os meios de comunicação locais.

Os caixas automáticos escolhidos para a fraude estavam instalados nos supermercados Seven Eleven, que aceitam cartões estrangeiros. Estima-se que uma centena de pessoas tenha utilizado essas máquinas quase ao mesmo tempo.

O grupo bancário sul-africano Standard Bank explicou em um comunicado ter sido “vítima de uma fraude sofisticada e coordenada” e acrescentou ter tomado “medidas rápidas para frear o problema e ter alertado as autoridades japonesas”.

Os criminosos utilizaram cartões falsos elaborados a partir de dados bancários roubados deste banco, detalhou a imprensa japonesa, que citou fontes anônimas próximas à investigação.

Leia também:

Meirelles fala em foco no controle dos gastos públicos

Governo organiza encontros com investidores para venda de ativos estatais

A operação foi realizada em 15 de maio e afetou durante duas horas e meia os caixas automáticos de 17 cidades do arquipélago, com 14.000 operações de saque de dinheiro que envolveram 1.600 dados de cartões falsificados, explica o jornal Yomiuri. Seis desses cartões foram confiscados pelas máquinas, que os reconheceram como anormais quando os ladrões quiseram utilizá-los.

Os investigadores pretendem aproveitar estes elementos, assim como as gravações das câmeras de vigilância, para identificar rapidamente os responsáveis. As autoridades japonesas, que trabalharão sobre este caso com as sul-africanas, suspeitam que “um grupo internacional bem estruturado” planejou esta operação, escrevem os jornais japoneses.

(Com Agência France-Presse)