Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

No G-20, Meirelles fala em US$ 269 bi em investimentos

Em encontro com os 20 mais ricos do mundo, ministro da Fazenda levantou possibilidade de investimentos em infraestrutura, mas sem entrar em detalhes

Ao falar a empresários brasileiros e chineses em Xangai, no encontro dos 20 países mais ricos do mundo, o G-20, nesta sexta, o ministro da Fazenda Henrique Meirelles levantou a possibilidade de investimentos em projetos de infraestrutura na casa de 269 bilhões de dólares (aproximadamente 874,25 bilhões de reais) no prazo de quatro anos. Número é bastante superior aos 31 bilhões de reais previstos para o plano de concessões de Michel Temer, de acordo com reportagem desta sexta-feira do jornal Folha de S.Paulo.

Segundo o ministro, não se trata de um compromisso do governo, mas de um mapa de oportunidades até o meio de 2020 para mostrar aos investidores. Em entrevista, Meirelles, disse ser uma estimativa do número de projetos que poderão ser feitos e estarão disponíveis no Brasil, em infraestrutura.

“É uma projeção de oportunidades de projetos nos próximos três a quatro anos, será detalhado pelo Moreira Franco [secretário do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos)] no mês de setembro, não necessariamente nesse número [269 bilhões de dólares], mas ele vai detalhar pelo menos a primeira parte do programa”, disse o ministro.

Esses projetos abarcam concessões, outorgas e privatizações em infraestrutura, incluindo também óleo e gás, de acordo com Meirelles; parte dos projetos já pode ter sido discutida anteriormente.

Crescimento de 2,5% em 2018

Meirelles também afirmou que o país pode crescer 2,5% em 2018 e tem potencial de expandir ainda mais.

“As previsões são de um crescimento de 1,6% em 2017 e de 2,5% em 2018. A tendência histórica do Brasil é ter taxas substancialmente maiores e vamos trabalhar para voltar a crescer ao redor de 4% em média”, disse Meirelles em seminário empresarial em Xangai, onde acompanha o presidente Michel Temer.

De acordo com a pesquisa Focus realizada pelo Banco Central, a expectativa dos economistas consultados é de uma expansão de 1,23% em 2017 e de 2% no ano seguinte.

Confiança na estabilidade

O presidente da China, Xi Jinping, expressou confiança nesta sexta-feira na capacidade do Brasil em manter estabilidade, após o impeachment de Dilma Rousseff, em mensagem durante encontro com o presidente Michel Temer em Hangzhou.

“A China possui grande confiança nas perspectivas de desenvolvimento do Brasil, assim como confiança na cooperação entre China e Brasil”, disse Xi.

“Devemos seguir nos tratando como parceiros em desenvolvimento e fortalecer a cooperação, e tornar a cooperação China-Brasil um destaque em unidade e relações de cooperação entre países em desenvolvimento.”

Temer, que já foi co-presidente da Comissão Sino-Brasileira, reiterou no encontro com Xi, por sua vez, a necessidade de se manter as “relações sólidas” construídas entre os dois países ao longo dos anos.

Brasil e China fazem parte do Brics, grupo de economias emergentes que inclui Índia, Rússia e África do Sul.

Antes do encontro com o presidente chinês, Temer participou de um seminário empresarial em Xangai, em que afirmou que a China é “destino dos mais apropriados” para o início de uma nova jornada mediante a profundidade das relações com o Brasil.

Leia também:
Perspectivas para o Brasil melhoraram nos últimos meses, diz FMI
G-20 vai à China com pouca margem para reativar economia mundial

O presidente também afirmou que o fundamento central do novo governo é a responsabilidade, citando como exemplos o teto para o crescimento das despesas governamentais e a renegociação das dívidas dos Estados. Segundo Temer, as bases para o futuro foram lançadas, com a recuperação da confiança dos agentes econômicos, após a mudança de governo.

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, anunciou nesta sexta-feira que o Brasil irá assinar nove acordos comerciais com a China em setores como agricultura, aviação e logística, incluindo um projeto de 3 bilhões de dólares na área de siderurgia.

(Da redação)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Democrata Cristão

    Não entendo porque com a China, a China está estagnada, está com super produção, ela que é defecar a sua produção aqui para preservar os empregos dos trabalhadores chineses, os jornais de Taiwan denunciam isso, temos que fazer acordos com países ricos é para eles que devemos vender. Senhor Presidente Temer e Senhor Meirelles, isso foi um tiro no pé do brasileiro.

    Curtir

  2. Paulo Bertazzi

    Fora Venezuelixo. Benvindos G20

    Curtir

  3. Democrata Cristão

    Paulo Bertalixo, Temer está repetindo o mesmo erro da Dilma, acordos com a China(são socialistas) tem que ser preteridos, não é vantagem. A Dilma, que é a sua tia, cometeu o mesmo erro e ferrou o país.

    Curtir

  4. Micky Oliver

    NÃO ESCREVI NADA DE MAIS AQUI ANTERIORMENTE E ME CENSURARAM! VT-NC, VEJA!

    Curtir