Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

No Congresso, Yellen defende redução gradual dos estímulos

Em seu primeiro discurso como presidente do Fed, Janet Yellen disse que a recuperação do mercado de trabalho dos EUA 'está longe de ser completa'

Por Da Redação 11 fev 2014, 13h12

Em seu primeiro discurso como presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) a parlamentares, Janet Yellen disse que apoia firmemente as medidas tomadas por seu antecessor, Ben Bernanke, e afirmou que o Fed espera continuar reduzindo gradualmente seu programa de estímulos. Iniciado em setembro de 2012 a um ritmo de compra mensal de 85 bilhões de dólares em ativos, o programa vem sendo reduzido gradualmente e está no patamar de 65 bilhões de dólares por mês, por causa dos sinais de de melhora na economia do país.

Leia também:

Criação de empregos nos EUA fica abaixo do esperado em janeiro, com 113 mil vagas

Yellen enfrenta Congresso como presidente do Fed nesta terça

Bernanke deixa o Fed para Yellen em tempos de tormenta monetária

Ao falar sobre as melhoras econômicas, Yellen disse que a recuperação do mercado de trabalho dos EUA “está longe de ser completa”, apesar da queda no desemprego. Embora o indicador tenha recuado em 1,5 ponto porcentual, para o nível atual de 6,6%, segundo a dirigente, a taxa de desemprego continua “muito acima dos níveis” que o BC enxerga como consistentes com um emprego máximo sustentável.

Emergentes – Yellen reconheceu a recente volatilidade nos mercados financeiros globais. No entanto, ressaltou que o atual momento de turbulência “não representa risco substancial à perspectiva econômica dos Estados Unidos”. No relatório de política monetária do Fed, liberado nesta terça, Yellen disse que Brasil, Índia, Indonésia, África do Sul e Turquia “estão entre as economias que se mostraram mais afetadas”. O documento citou também as ações recentes adotadas pelos BCs desses países para conter a volatilidade do mercado.

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade