Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ngozi Okonjo-Iweala: uma economista africana fiel ao BM

A ministra nigeriana de Finanças, Ngozi Okonjo-Iweala, candidata a substituir o americano Robert Zoellick à frente do Banco Mundial, é uma economista de 57 anos, muito respeitada e que conhece bem a instituição, da qual foi diretora-geral.

Ngozi, cuja candidatura foi anunciada nesta sexta-feira em Pretória, a capital sul-africana, conta com o apoio da África do Sul, maior potência econômica do continente, e de Angola, segundo produtor africano de petróleo depois da Nigéria.

Com diplomas da Universidade americana de Harvard e do Massachusetts Institute of Technology (MIT), a economista esteve grande parte de sua carreira no Banco Mundial, ao mesmo tempo em que recebeu várias nomeações para ser ministra na Nigéria.

Em 2007, Ngozi tornou-se diretora-geral da instituição com sede em Washington, onde se encarregou de supervisionar as operações no sul da Ásia, Ásia Central, Europa e África, com uma carteira de 81 bilhões de dólares.

Ngozi pediu demissão deste cargo para ocupar, em agosto de 2011, o Ministério de Finanças da Nigéria, o país mais povoado da África, com 160 milhões de habitantes e cujo enorme potencial econômico e o desenvolvimento estão comprometidos pela corrupção e pela má gestão.

A designação da nigeriana pelo presidente Goodluck Jonathan gerou enormes esperanças neste país, que possui a maioria da população na pobreza, e onde a ministra é muito respeitada.

“As pessoas esperam muito de você. Algumas pensam que você possui uma varinha mágica para mudar tudo”, disse Jonathan à ministra.

Em sua passagem anterior pelo Ministério de Finanças (2003-2006), Ngozi foi elogiada por conseguir a anulação de 18 bilhões de dólares da dívida nigeriana ante o Clube de Paris.

Ngozi também ocupou brevemente a carteira de Relações Exteriores e em 2000 foi conselheira econômica do então presidente Olusegun Obasanjo (1999-2007).

Contudo, a imagem da ministra foi associada a uma medida pouco popular que levou a população a sair às ruas para protestar: a supressão dos subsídios ao preço dos combustíveis, que obrigou o governo a voltar atrás na decisão.

Para o economista nigeriano Pat Utomi, que denunciou a medida, Ngozi possui todas as qualidades para assumir a presidência do Banco, que tradicionalmente tem estado em mãos de um americano, o que os países emergentes querem mudar.

“Por um lado, ela possui uma longa história no seio do Banco Mundial – o que lhe confere um bom conhecimento da instituição – e por outro, seu retorno à Nigéria lhe permitiu compreender os clientes do Banco, o que é fundamental ao meu ver”, disse Utomi.

A candidata, que só se veste com a roupa tradicional nigeriana, mencionou em sua apresentação à candidatura sua “grande experiência no Banco Mundial, no governo e na diplomacia”.

“Compartilho da visão do Banco Mundial: lutar com paixão contra a pobreza”, disse a ministra, cujos estudos têm se concentrado basicamente na economia do desenvolvimento, em trabalhos sobre crédito, mercados financeiros rurais e sobre o setor agrícola nigeriano.