Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Não vamos romper com a TelexFree’, diz diretor do Botafogo

Diretor do clube carioca afirma que empresa acusada de prática de pirâmide financeira realizou todos os pagamentos combinados e, por isso, não tem motivo para retirar a marca da parceira

Por Naiara Infante Bertão
11 Maio 2014, 20h02

As investigações sobre a TelexFree estão correndo rapidamente nos Estados Unidos e a empresa já foi apontada pela Securities and Exchange Commission (SEC), órgão que regula o mercado financeiro do país, como um típico caso de pirâmide financeira. Seus bens foram bloqueados pela Justiça do estado americano de Massachussetts e o diretor financeiro da empresa, Joseph Craft, foi pego tentando fugir com inúmeros cheques no valor de 38 milhões de dólares destinados aos donos da TelexFree nos EUA, James Merrill e Carlos Wanzeler.

No Brasil, a TelexFree USA está presente em todas as rodadas do Campeonato Brasileiro de futebol. Desde janeiro, a empresa é patrocinadora do time carioca Botafogo, que no sábado goleou o Criciúma por 6 a 0 pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. O acordo foi acertado quando os problemas com investidores já estavam sob investigação. De lá até maio, as evidências sobre esquemas fraudulentos da TelexFree aumentaram, principalmente com ações efetivas da Justiça americana sobre o negócio. Apesar de toda controvérsia, o diretor-executivo do clube, Sérgio Landau, afirmou ao site de VEJA que vai manter o contrato com a Telexfree USA. “Não estamos avaliando isso (o rompimento do contrato feito com a matriz americana) neste momento, mas, certamente, nosso jurídico vai avaliar tudo. Eles cumpriram o que foi prometido na assinatura do contrato, pagaram rigorosamente o patrocínio, inclusive à vista. Por isso vamos continuar, em contrapartida, cumprindo o combinado – estampar a marca”, disse ele, que acrescentou que até agora o clube “não teve nenhum problema com a empresa”. Ele disse ainda que não recebeu, até agora, nenhuma reclamação dos outros patrocinadores sobre a imagem negativa que as investigações possa passar.

Leia mais:

Patrocínio da TelexFree ao Botafogo foi surpresa negativa, diz Guaraviton​

Mesmo bloqueada, TelexFree promove cruzeiro com direito a show sertanejo

​Marketing do Botafogo errou: ‘TelexFree não é parceiro ideal’, dizem especialistas

Continua após a publicidade

Botafogo é alvo de piadas na rede após fechar com TelexFree; leia as melhores

Nessa sexta-feira, James Merrill, de 53 anos, sócio do brasileiro Carlos Wanzeler na TelexFree, foi preso em Worcester, no Estado americano de Massachusetts. O brasileiro é considerado foragido pela Justiça americana. Se condenados, eles podem pegar até 20 anos de prisão. Acatando um pedido da SEC, a Justiça do estado americano de Nevada encaminhou o pedido de recuperação judicial da TelexFree para Massachusetts, onde a empresa está sendo formalmente investigada. Segundo a agência, a TelexFree chegou a levantar 1 bilhão de dólares com divulgadores em todo o mundo, em especial brasileiros.

A filial brasileira – Ympactus Comercial Ltda. – está sob investigação desde o ano passado por prática de pirâmide no Brasil, com os bens bloqueados e impedida de funcionar por uma decisão da Justiça do Acre. Ela foi recentemente condenada pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, órgão da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon/MJ) a pagar uma multa de 5,590 milhões de reais por operar “esquema financeiro piramidal”, que é crime contra a economia popular no Brasil.

Leia mais:

‘Divulgadores da TelexFree têm o direito de pedir o dinheiro de volta’, diz Ministério da Justiça

Continua após a publicidade

TelexFree é multada em R$ 5,6 milhões por operar pirâmide

Saiba o número crucial que revela que a TelexFree tem características de pirâmide

TelexFree: os slogans inacreditáveis usados para atrair divulgadores

Entenda por que as pirâmides financeiras são insustentáveis

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.