Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Não entrevisto negros”; executivo denuncia racismo

Com o título “Eu não entrevisto negros”, a postagem teve mais de 300 mil visualizações

O presidente da Bayer do Brasil, Theo van der Loo, usou seu perfil no Linkedin para denunciar um caso de racismo que aconteceu durante uma entrevista de emprego. Com o título “Eu não entrevisto negros”, a postagem teve mais de 300 mil visualizações, quase 3.000 curtidas e 844 comentários.

“Um conhecido meu, afro-descendente, com uma excelente formação e currículo, foi fazer uma entrevista. Quando o entrevistador viu sua origem étnica disse à pessoa de RH que ele não sabia deste detalhe e que não entrevistava negros!”, escreveu Van der Loo.

Post na rede social LinkedIn de Theo van der Loo, presidente da empresa Bayer S.A. Post na rede social LinkedIn de Theo van der Loo, presidente da empresa Bayer S.A.

Post na rede social LinkedIn de Theo van der Loo, presidente da empresa Bayer S.A. (Theo van der Loo/LinkedIn/Reprodução)

Van der Loo ficou ainda mais surpreso com a reação do amigo a sua sugestão de denunciar o caso. “A resposta: ‘Pensei, mas achei melhor não fazer, pois posso queimar minha imagem. Sou de família simples e humilde custou muito para chegar onde cheguei’.

Ao site de notícias da BBC, o candidato, que não quis revelar seu nome nem a empresa na qual participou do processo de seleção para um cargo de gerência, disse que está desempregado há sete meses, e que não se expõe com receio de ser taxado de vitimista.

Presidente da Bayer desde 2011, Van der Loo recebeu o prêmio de personalidade de 2015 na categoria ‘Melhor Estímulo à Ação Afirmativa’ por conta do programa de diversidade aplicado na companhia

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. jose jorge rodrigues lopes

    Se abaixou a calça, o bicho vai te pegar.
    Morra, mas defenda o certo.

    Curtir

  2. Silvia Valle

    Por que então o Sr. Theo não o emprega??? Seria gratificante, não adianta somente expor o espanto, deve agir de forma a ajudar quem precisa. Se só expõe..damos o nome de oportunista….

    Curtir

  3. Gerson W. Barbosa

    Como se não bastasse o receio de ser tachado de vitimista, a Veja ainda quer taxá-lo…

    Curtir

  4. Paulo Bandarra

    A notícia sobre o nada.

    Curtir

  5. Brian Jeremias

    Onde está aquele bando de imbecil agora para dizer que basta “meritocracia”? Vivemos numa droga de país racista e se não for pela força ninguém consegue nada!!

    Curtir

  6. Antônio Sobral

    Eu sugeriria que o sujeito respondesse ao entrevistador: “Obrigado por ter avisado, eu jamais gostaria de trabalhar em uma empresa assim.” Penso que ele acertou em não fazer queixa. E a matéria poderia informar ao menos onde foi o ocorrido.

    Curtir

  7. Waldemor Weick

    Eu sou ativista até demais, daria um tiro na cara do entrevistador ……………………

    Curtir