Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Na passeata pelos royalties, os ‘caras-pintadas’ usam azul e branco

Servidores públicos são maioria no protesto convocado pelo governo do estado contra a mudança na partilha de tributos do petróleo

Por Leo Pinheiro 10 nov 2011, 16h59

Formada principalmente por servidores públicos de cidades que se beneficiam dos royalties do petróleo, a passeata convocada pelo governo do Rio, contra a mudança na partilha dos recursos, começou a ganhar corpo no centro da cidade por volta das 15h desta quinta-feira. Sob sol forte, os manifestantes se aglomeram na altura da Candelária, de onde partirá uma caminhada até a Cinelândia, na outra extremidade da Avenida Rio Branco.

O protesto retoma uma tradição das grandes mobilizações populares: os caras-pintada, que marcaram a marcha que pediu o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello. Desta vez, no entanto, o verde e o amarelo deram lugar ao azul e ao branco – cores da bandeira do estado do Rio.

Cerca de dez carros de som aguardam próximos da Candelária para a passeata. O som que mais se ouve, e o que mais anima a multidão, é o funk, vindo de um carro da equipe Furacão 2000.

Concentração da passeata contra a mudança na partilha dos royalteis, no centro do Rio
Concentração da passeata contra a mudança na partilha dos royalteis, no centro do Rio VEJA

Como se esperava, a decretação de ponto facultativo em repartições do estado e dos municípios beneficiados com os royalties são maioria. Só do município de Macaé – que concentra a maior parte das instalações para a exploração na Bacia de Campos – vieram 122 ônibus. A cidade, também chamada de ‘capital do petróleo’, é um exemplo de como essa indústria beneficia e afeta negativamente as regiões próximas da exploração. Secretário de Meio Ambiente de Macaé, Maxwell Vaz estima em cerca de 3.500 pessoas o grupo que partiu nas primeiras hora da manhã para o ato no Rio.

“Macaé sofre um inchaço. Cerca de 60% dos moradores de Macaé não são fluminenses. A maior parte vem do interior dos estados de São Paulo, Minas Gerais e do Nordeste. No bairro Lagomar, em 10 anos, aglomeraram-se 40 mil pessoas”, explica, dando exemplo de como a perda dos royalties pode prejudicar a cidade.

Continua após a publicidade

Grande parte da caravana de Macaé adota como ‘uniforme’ camisetas com a inscrição “O impacto é nosso. Os royalties também”.

Há no protesto muito de defesa do município, mas também preocupações com o horizonte pessoal dos servidores. Tatiani Souza, 31, professora municipal de Macaé, deu sua versão para o que pode ser a ‘tragédia’ da mudança na distribuição dos recursos. “Se o royalty acabar, nossa luta vai ficar enfraquecida. Nosso salário vai ficar estagnado. Não teremos aumento por muitos anos”, disse.

LEIA TAMBÉM:

Projeto de royalties do petróleo retira 49,8 bilhões de municípios

Governos aproveitam mal os royalties do petróleo

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)