Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MRV é a construtora mais lucrativa das Américas

Conforme o estudo, entre as dez empresas com maior lucro do setor da América Latina e Estados Unidos, sete são brasileiras, duas norte-americanas e uma mexicana

A brasileira MRV Engenharia é a empresa do setor de construção de edifícios residenciais com o maior lucro na América Latina e Estados Unidos, segundo estudo da consultoria Economatica, com base nas demonstrações financeiras de 2011.

Conforme o levantamento, em dólares, o lucro acumulado pela MRV no ano passado foi de 405,2 milhões de dólares, alta de 6,4% ante os 380,7 milhões de dólares obtidos em 2010, quando a MRV foi a terceira empresa mais lucrativa da amostra.

O resultado se manteve favorável para as construtoras brasileiras ainda que o real tenha se desvalorizado ante o dólar em 2011. A moeda manteve o patamar de 1,80 real no segundo semestre – chegando até mesmo aos 2 reais em meados de outubro.

Conforme o estudo, entre as dez empresas com maior lucro do setor da América Latina e Estados Unidos, sete são brasileiras, duas norte-americanas e uma mexicana.

A PDG Realty, que liderou o ranking em 2010, caiu para a segunda colocação, com lucro de 375,5 milhões de dólares, recuo de 20,7% com relação ao ano anterior. A empresa divulgou o balanço auditado de 2011 apenas no fim da semana passada. A companhia atribuiu o atraso a dificuldades no processo de integração dos quatro sistemas de gestão do grupo de empresas da Agre para o sistema SAP da PDG.

Em terceiro lugar no ranking de 2011, vem a norte-americana Walter Ind, com lucro de 349,176 milhões de dólares, seguida pela brasileira Cyrela Brazil Realty, que lucrou 265,578 milhões de dólares. A quinta colocada é a Rossi Residencial (181,109 milhões de dólares); a sexta, Eztec (175,374 milhões de dólares); a sétima, Brookfield (174,236 milhões de dólares); a oitava, a mexicana Urbi Desarrollos (168,688 milhões de dólares); a nona, a norte-americana NVR (129,420

milhões de dólares); e a décima, a Even, (120,546 milhões de dólares).

(Com Agência Estado)