Clique e assine a partir de 9,90/mês

Moscou adverte que uma guerra no Irã seria ameaça direta para segurança russa

Por Da Redação - 13 jan 2012, 15h28

Moscou, 13 jan (EFE).- A Rússia considera que uma guerra no vizinho Irã seria uma ameaça direta a sua própria segurança, disse nesta sexta-feira Dmitri Rogozin, ao deixar o cargo de embaixador russo permanente junto à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

‘O Irã é nosso vizinho. Se algo ocorre, se o Irã se vê envolvido em ações militares, isso seria uma ameaça direta para nossa segurança’, assinalou Rogozin, citado pelas agências de notícias russas.

Rogozin, que foi nomeado vice-primeiro-ministro da indústria de Defesa, afirmou que ‘qualquer país tem direito a dispor de todo o necessário para se sentir seguro’.

‘O Irã também tem esse direito. Por isso, queremos dizer a todos os participantes do jogo que surgiu em torno do Irã: tranquilizem-se’, disse o diplomata russo.

Por outro lado, ele ressaltou que Moscou apoia a não-proliferação de armas de destruição em massa. ‘Sem dúvida, aplicaremos uma política muito rígida para, ao tempo que ajudamos os países a desenvolver fontes modernas de energia, não permitir que eles adquiram a tecnologia para usar o átomo com fins militares’.

Na mesma linha, o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Gennady Gatilov, afirmou nesta sexta-feira que ‘as novas sanções contra o Irã, assim como o possível ataque militar contra a República Islâmica, serão considerados pela comunidade internacional, sem dúvida, como uma tentativa de mudar de regime em Teerã’.

Continua após a publicidade

A Rússia, que se opõe à imposição de novas sanções contra Teerã, acusou o Irã nesta semana de ignorar as reivindicações internacionais sobre seu programa nuclear ao iniciar as atividades de enriquecimento de urânio.

Moscou pediu que Teerã colabore com o diálogo do Grupo 5+1, formado pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (EUA, Rússia, China, França e Reino Unido) mais a Alemanha.

‘Esperamos que o Irã ouça nossa opinião sobre a necessidade de cooperar estreitamente com a agência para o início mais rápido possível de negociações incondicionais prévias sobre o programa nuclear iraniano com o Grupo 5+1’, anunciou a Chancelaria.

A Rússia insiste que o problema nuclear iraniano só pode ser solucionado através do diálogo e observando os princípios de concessões mútuas para recuperar a confiança entre as partes.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirmou nesta semana que o Irã iniciou o enriquecimento de urânio ao nível aproximado de 20% de pureza na instalação fortificada de Fordo, a 160 quilômetros de Teerã.

Até agora, o país tinha purificado urânio até esse nível – considerado um passo prévio ao urânio altamente enriquecido para bombas atômicas – apenas na usina de Natanz. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade