Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Morre Mandic, o pai da web brasileira que até inspirou personagem de série

O empresário criou serviço de conexão entre computadores antes da WWW, fundou o iG e se tornou nome incontornável para explicar evolução da internet no país

Por Carlos Valim Atualizado em 6 Maio 2021, 21h26 - Publicado em 6 Maio 2021, 21h05

Morreu nesta quinta, 6, aos 66 anos, um dos pioneiros da internet no Brasil, Aleksandar Mandic. É impossível contar a história dos primórdios dessa tecnologia no Brasil sem falar de serviços e produtos que criou durante todo os anos 1990. Além de reconhecido por sua inventividade, o empresário brasileiro de nome sérvio era sempre lembrado pelo bom humor e boas ações por aqueles que o conheceram. Brincava que era a internet em pessoa, afinal, o seu sobrenome quase que virou um sinônimo para a web brasileira em certa época, e contratava outros exploradores da tecnologia que estavam em dificuldades financeiras.

Em 1994, participou junto com o então superintendente de informática da Fapesp, Demi Getschko, da negociação dos primeiros endereços de internet, os blocos de IP, para o país. Quatro anos antes, ele havia criado a sua própria BBS, um sistema que usava as linhas de telefone antes do surgimento da World Wide Web (www). O Mandic BBS nasceu num quarto de sua casa com uma linha telefônica extra de sua mulher.

A invenção o fez sair da alemã Siemens e apostar no nascente negócio de interconectar pessoas. A empresa acabou virando a Mandic Internet, que recebeu aporte da GP Investiments, e, durante um tempo, quem queria ter um e-mail no Brasil costumava levar um endereço com a terminação @mandic.com.br. Ainda foi um dos fundadores do provedor de internet iG, com Getschko e com o publicitário Nizan Guanaes.

A sua importância para a história da tecnologia o levou a receber uma homenagem até no conhecido seriado Silicon Valley, quando na quarta temporada os protagonistas buscam ser recebidos pelo CEO de uma grande empresa chamado George Mandic.

Em abril deste ano, a Mandic, na qual era minoritário, foi vendida para a Claranet, e ele se desfez de suas últimas ações. No ano passado, se recuperou de um grave caso de Covid-19 em um hospital de Portugal, onde tinha residência. Mas, nesta quinta-feira, 6, o seu filho Axel informou ao mundo, pela mesma internet que seu pai ajudou a desenvolver, que a trajetória do pioneiro brasileiro havia terminado.

Continua após a publicidade
Publicidade