Clique e assine a partir de 8,90/mês

Moody’s rebaixa nota da dívida espanhola em dois graus

País europeu perde o status de emissor de dívida de alta qualidade

Por Da Redação - 18 out 2011, 19h43

Moody’s rebaixou a projeção para o crescimento espanhol para, no máximo, 1% em 2012 e alegou que isso “tornará ainda mais difícil alcançar as ambiciosas metas orçamentárias” do país.

Para a Moody’s, desde julho, quando pôs as notas da Espanha em revisão, nenhuma solução confiável veio à tona.

A agência de classificação de risco Moody’s rebaixou nesta terça-feira a nota da dívida espanhola em dois graus, de Aa2 para A1, afirmando que o país é “vulnerável às tensões nos mercados”, e que não surgiu uma solução “confiável” para a crise na Europa.

Os títulos do Estado espanhol de longo prazo recebem agora a nota A1 por parte da agência de classificação. Desta maneira, o país europeu perde seu status de emissor de alta qualidade para ficar no nível dos emissores sólidos, mas suscetíveis a mudanças de conjuntura econômica. A1 é a quinta melhor nota na escala da Moody’s.

A agência justificou sua decisão afirmando que considera que “a Espanha continua vulnerável a tensões nos mercados”. A Moody’s acrescentou que o crescimento do país alcançará no máximo 1% em 2012 (e não 1,8% como estimava até agora) e isso “tornará ainda mais difícil alcançar as ambiciosas metas orçamentárias”.

A empresa advertiu que o estresse será maior para a Espanha em razão do lento crescimento, que tornará os cortes orçamentários ainda mais dolorosos para o governo que surgir nas eleições gerais de 20 de novembro. “Desde que colocamos as notas sob revisão, em julho de 2011, nenhuma solução confiável para a atual crise da dívida soberana surgiu, e levará tempo para que a confiança na coesão política da zonad do euro e as perspectivas de crescimento sejam plenamente reestruturadas”, afirmou a agência.

A Moody’s mostrou-se mais dura com a Espanha que a Standard and Poor’s e Fitch, que reduziram a nota do país europeu para AA- (quarta melhor nota) nos últimos 15 dias.

(com Agence France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade