Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Moody’s: próximo governo definirá classificação de risco do Brasil

O alerta da agência evidencia que mudanças econômicas implementadas por quem assumir o Planalto devem servir para reverter os erros dos últimos anos

A agência de classificação de risco Moody’s alertou nesta quarta-feira que a perspectiva do rating do Brasil depende do sucesso ou fracasso dos esforços do próximo governo em reverter as tendências econômicas negativas e elevar o crescimento para próximo do potencial.

O alerta da agência vem menos de quatro meses antes das eleições presidenciais de outubro, quando a presidente Dilma Rousseff disputará um novo mandato em uma eleição cada vez mais acirrada. Embora Dilma ainda esteja em primeiro lugar nas pesquisas, sua queda de popularidade tem sido vertiginosa.

O Brasil é atualmente classificado pela Moody’s como “Baa2” com perspectiva estável, o que significa que não é provável que seja rebaixado nos próximos 18 meses. Mas a agência sugeriu que a perspectiva poderia ser revisada negativamente se o país continuar enfrentando “declínio dos gastos com investimento, desaceleração do consumo e deterioração da confiança do investidor”.

Leia também:

O ‘inferno astral’ de Dilma às vésperas da campanha

‘Reformas econômicas no Brasil requerem mudança de liderança política’

“A agência considera que as perspectivas de crescimento do Brasil estão presas em um círculo vicioso, com as expectativas ruins dos consumidores e investidores levando a menos investimento e crescimento econômico, o que, por sua vez, alimenta um sentimento negativo adicional”, disse a Moody’s em comunicado.

Questões semelhantes já levaram a Standard & Poor’s a rebaixar o rating do Brasil ao nível mais baixo do grau de investimento em março.

Desde então, as perspectivas do Brasil continuaram a se deteriorar. Nesta semana, a pesquisa Focus do Banco Central mostrou que economistas reduziram suas projeções de crescimento econômico do país em 2014 pela quarta semana consecutiva, a apenas 1,16 por cento.

Para a Moody’s, o próximo governo terá o desafio de elaborar uma agenda de política econômica que incorpore mudanças significativas para lidar com as preocupações de investidores.

(Com Reuters)