Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Moody’s mantém nota do Brasil, mas alerta para situação fiscal

Agência de classificação de risco diz que 'Brasil tem flexibilidade fiscal limitada' e que relação dívida/PIB poderá ser o motor de uma mudança na nota de crédito do país

A agência de classificação de risco Moody’s divulgou relatório nesta segunda-feira no qual manteve a nota de crédito do Brasil em Baa2, com perspectiva estável. Embora não tenha revisado o rating, a Moody’s fez alerta sobre a situação fiscal do país. “A trajetória que a dívida/PIB tomar influenciará fortemente a perspectiva do crédito soberano do Brasil. Uma questão importante que se coloca à qualidade do crédito é se as autoridades podem restaurar as condições que devem conduzir a uma tendência declinante do indicador de dívida”, disse a agência em comunicado.

O rebaixamento da nota de crédito do país tem se mostrado factível desde que a agência Standard & Poor’s revisou a perspectiva da nota do Brasil de “estável” para “negativa” em junho do ano passado, usando como justificativa a piora do quadro fiscal do país. Analistas da S&P não descartam a possibilidade de rebaixamento da nota do país ainda em 2014.

Leia também:

Receitas extras ajudam governo a cumprir meta fiscal

Economia do setor público em novembro alcança R$ 29 bi graças a Libra e Refis

Desonerações penalizam superávit e seus benefícios ainda são desconhecidos

Segundo a Moody’s, a relação dívida sobre PIB do Brasil tem refletido a deterioração fiscal: o indicador “tem subido em direção à marca de 60%, e a Moody´s estima que poderia alcançar 62% em 2014”, comentou a agência no documento. “O Brasil tem flexibilidade fiscal limitada, diante de uma estrutura rígida dos gastos do governo e uma carga de juros relativamente pesada”. A agência disse que o principal desafio que as finanças públicas enfrentam é o persistente aumento das despesas correntes.

PIB – Quanto ao crescimento econômico, a Moody´s disse ainda que espera que a economia cresça no intervalo de 2%.