Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Montadora Man investirá US$ 15 mi operação no México

Por Alessandra Saraiva

Rio – A Man Latin America, dona da marca Volkswagen para caminhões e ônibus, anunciou hoje investimento nas operações no México. A partir de 2012, a montadora ampliará sua atuação naquele país com a introdução dos caminhões Volkswagen Constellation e do chassi de ônibus rodoviário Volksbus. O investimento na montagem dos produtos e sua comercialização será de US$ 15 milhões.

Em apresentação à imprensa na manhã de hoje, o presidente da Man Latin America, Roberto Cortes, afirmou que a empresa deve iniciar planos de expansão de produção no Brasil nos próximos anos. Sem mencionar valores ou quando se dará o anúncio de novos investimentos, Cortes informou que os recursos devem contemplar expansão de capacidade de produção. “Sabemos que nossa capacidade atual não é suficiente para atender o potencial de aumento de vendas no Brasil”, afirmou.

De acordo com o executivo, o Brasil tem apresentado potencial de crescimento de vendas ano após ano devido ao aumento nos investimentos em infraestrutura. Ele lembrou que, iniciativas como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e outros de modernização e ampliação de estradas, estimulam a renovação de frota de caminhões e ônibus. “Além do crescimento da economia, talvez tenhamos necessidade adicional de produção e venda em função desta necessidade de renovação de frota”, avaliou Cortes.

Cortes acrescentou que, no mercado brasileiro, de janeiro a agosto, 30,3% dos caminhões vendidos foram da marca Volkswagen. Segundo o executivo, em vendas totais no Brasil, a Man Latin America deve superar a marca de 70 mil unidades este ano. Em 2010, a venda total da marca foi de 65.630, de acordo com Cortes.

IPI

O presidente da Man Latin America também elogiou hoje a medida anunciada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, de elevação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros importados. Cortes disse que montadoras com conteúdo nacional sofrem há tempos com a acirrada concorrência com importados devido ao dólar mais fraco. “O que tem acontecido é uma avalanche de produtos importados”, avaliou. “Nós consideramos estas medidas com muito bons olhos, e vindas na hora certa”.

O aumento de imposto será gradativo, de acordo com a potência do veículo, e abrange automóveis de passeio, veículos e caminhões. Carros flex 1.0, que hoje pagam 7% de IPI, passarão para 37% se não cumprirem os requisitos, como mínimo de 65% de peças fabricadas no País e investimento em pesquisa e desenvolvimento. A medida vale até dezembro de 2012.