Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Modelo de seguro-desemprego está ‘ultrapassado’, diz Levy

Ao 'Financial Times', ministro da Fazenda reforçou compromisso com ajustes fiscais, e admitiu que medidas podem impactar desenvolvimento econômico

Por Da Redação - 23 jan 2015, 14h07

O novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou que o atual modelo de seguro-desemprego brasileiro está “completamente ultrapassado”. Em entrevista ao jornal Financial Times (FT), ele usou a expressão “out-of-date” (obsoleto, em tradução livre) para definir o sistema de benefícios previdenciários do país. Levy também reforçou sua intenção de “se livrar de subsídios e ajustar preços”, como os de energia, e voltou a falar em cortes em “diversas áreas”. As declarações foram dadas em Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial.

Segundo o jornal, Levy também afirmou que o país passa por um período de austeridade e reformas, e defendeu mudanças em programas sociais do governo – sem reduzir, no entanto, o Bolsa Família. O Ministério da Fazenda divulgou uma nota no início da noite desta sexta negando que o ministro tenha falado em “reforma” de programas sociais.

Ao ‘FT’, Levy admitiu que esse período de ajustes pode impactar o desenvolvimento econômico. “Acredito que a economia parada não pode ser descartada como uma possibilidade, embora o PIB no Brasil seja resiliente”, afirmou.

Ainda em relação aos ajustes, Levy acrescentou que “assim que sua equipe colocar a casa em ordem, a reação será positiva”, em referência ao compromisso do atual governo em resgatar a credibilidade e a confiança do mercado.

Publicidade

Leia mais:

Levy: ‘Não estamos aqui para fazer remendo’

A investidores, Levy diz que Brasil vai ter crescimento próximo de zero em 2015

Governo aumenta impostos e fala em arrecadar R$ 20 bi

Publicidade

Ao se referir às mudanças do cenário externo, Levy afirmou que também é hora de o Brasil mudar. Para ele, “políticas anticíclicas têm seus limites, especialmente quando se vê as duas maiores economias do mundo (Estados Unidos e China) mudando de postura”.

Dilma – O ministro disse que considera a presidente Dilma Rousseff (PT) uma pessoa “muito decidida e que entende suas escolhas”. Apontado por ser um “estranho no ninho”, por sua postura ortodoxa, Levy disse que não está sozinho no governo e acrescentou que outras reformas estão sendo feitas em outros ministérios, como de Energia e Agricultura.

A entrevista foi dada poucos dias após o governo anunciar um pacote de ajustes fiscais para elevar a arrecadação federal em amis de 20 bilhões de reais neste ano. O pacote inclui a retomada da cobrança da Cide, o imposto sobre combustíveis; a elevação de 9,25% para 11,75% da alíquota do PIS/Cofins para produtos importados; a equiparação do atacadista ao industrial para a cobrança de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre setor de cosméticos e o aumento da faixa para operações de crédito (IOF) de 1,5% para 3%.

Publicidade