Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

MMX suspende atividade em Corumbá por seis meses

Anúncio acontece poucos dias depois de a OGX informar que pode suspender as atividades de três poços até 2014

Por Da Redação
4 jul 2013, 19h33

Depois de a OGX ter anunciado, no início desta semana, que pode suspender as atividades em três poços no ano que vem, a MMX, empresa produtora de minério de ferro do grupo do empresário Eike Batista divulgou nesta quinta-feira a suspensão temporária de unidade em Corumbá, em Mato Grosso do Sul. A informação foi divulgada em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A mineradora disse que a suspensão será por seis meses a partir de julho. Para justificar a suspensão, a MMX disse que a decisão foi tomada “reforçando sua estratégia de otimização na alocação de capital e maximização de valor para os seus acionistas”.

Leia também:

Eike poderá fechar estaleiro da OSX, diz Bloomberg

Fortuna de Eike despenca 29%, para US$ 2,9 bi, em dois dias

Continua após a publicidade

Minoritários da OGX organizam reunião pelo Twitter

No documento, a companhia afirma possuir estoque para atender a todos os contratos firmados e explica que, durante a paralisação, “as atividades logísticas e demais serviços necessários à manutenção geral da planta da Unidade permanecerão ativos”.

Contudo, segundo a MMX, a suspensão da atividade em Corumbá resultará em ajuste no número de postos de trabalho: “Em decorrência deste movimento, foi necessário o ajuste no número de postos de trabalho. Serão estruturados, ainda, pela MMX programas de treinamento a serem realizados por seus colaboradores do quadro efetivo até a retomada do ritmo regular de operação na Unidade”, informou a mineradora no comunicado.

Leia ainda: Eike Batista renuncia ao cargo de presidente da MPX Energia

Governo diz que não ajudará as empresas de Eike Batista

Inferno astral de Eike Batista vira meme na internet; confira as melhores frases

Dias ruins – O ‘inferno astral’ de Eike Batista nos negócios começou em junho de 2012, quando a OGX informou que a capacidade de produção de seus poços seria muito menor do que havia sido divulgado a investidores na abertura de capital da companhia. De lá pra cá, todos os projetos de Eike foram colocados em xeque. A situação se agravou na última segunda-feira, quando a OGX Petróleo informou que poderá fechar seu único poço petrolífero ativo.

Continua após a publicidade

(com agência Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.