Clique e assine com até 92% de desconto

MMX poderá elevar sua participação no Superporto Sudeste

Inicialmente, mineradora terá 35% do porto, mas esse número poderá aumentar 7,5%, segundo o presidente da empresa

Por Da Redação 13 set 2013, 15h59

O presidente da MMX, Carlos Gonzalez, informou que o acordo com o fundo soberano Mubadala, de Abu Dhabi, e a trading holandesa Trafigura prevê a opção de a companhia ampliar em 7,5% sua participação no Superporto Sudeste, empresa criada para administrar o porto e que assumirá integralmente as dívidas da MMX Sudeste Mineração.

Na terça-feira, a companhia do grupo do empresário Eike Batista firmou o acordo, comprometendo-se a negociar pelas próximas semanas exclusivamente com o consórcio. O contrato fixa, inicialmente, que a MMX tenha 35% do capital da Superporto Sudeste, enquanto o consórcio Trafigura e a Mubadala fiquem com 65%. Além disso, prevê que os investidores disponibilizem um empréstimo-ponte de 150 milhões de dólares à MMX.

Leia também:

Derrocada da OGX faz bolsa mudar critério do Ibovespa após 45 anos

Saldão do Eike: confira o que o empresário já vendeu para pagar dívidas

Em teleconferência com analistas nesta sexta-feira, Gonzalez afirmou que a companhia tem um prazo de 18 meses para saber qual o melhor negócio daqui para frente, seja uma expansão ou uma fusão. “Os desafios ainda estão longe de terminar”, disse.

Continua após a publicidade

No evento, o executivo ressaltou que a MMX vai garantir um volume de embarque anual de 7 milhões de toneladas de minério de ferro no porto.

Leia também:

Mubadala pode usar crédito com EBX para Porto Sudeste

Gonzalez relatou que o acordo foi um rearranjo necessário para a geração de caixa da empresa e, por isso, foi fechado com dois sócios que “têm uma tremenda capacidade financeira”. Frisou que o acerto também é importante para os minoritários, porque mantém a atual composição dos acionistas.

Segundo ele, a nova empresa assume inclusive o pagamento do título MMXM11, um papel lançado com remuneração variável baseado em royalties pagos trimestralmente por volume embarcado. O papel dá a seu dono o direito de receber 5 dólares por tonelada de minério exportada pelo Porto do Sudeste, valor indexado ao índice de inflação ao produtor dos Estados Unidos (PPI).

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade