Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mitsubishi admite que testes de eficiência energética têm falhas desde 1991

Prejuízo com o novo escândalo ainda não foi mensurado, mas, segundo analistas, impacto pode ser pior que o das fraudes reveladas pela Volkswagen em 2015

A Mitsubishi Motors admitiu ter utilizado desde 1991 um método inadequado para os testes de eficiência energética de seus veículos. Esse é um novo golpe para a montadora após ela ter sido abalada por uma série de escândalos recentes.

“Para o mercado local, utilizamos este método desde 1991”, declarou o vice-presidente da empresa, Ryugo Nakao, em entrevista coletiva. O executivo disse não saber, no entanto, quantos modelos foram afetados.

Na semana passada, a Mitsubishi anunciou que utilizou um método que não está de acordo com a legislação japonesa para “apresentar taxas de consumo de combustível mais favoráveis que a realidade”. A empresa informou que a medida havia afetado 625.000 veículos fabricados desde 2013 e que foram vendidos apenas no Japão, incluindo 468.000 produzidos pela também japonesa Nissan.

As ações da empresa desabaram na Bolsa de Tóquio desde a explosão do escândalo na quarta-feira da semana passada. Isso fez a empresa perder quase metade de seu valor de mercado.

“A única coisa que posso fazer é pedir desculpas, mas eu não estava a par”, afirmou na terça-feira o presidente da Mitsubishi, Tetsuro Aikawa, antes de admitir que a crise vai abalar as finanças da empresa.

Para tentar esclarecer o caso, a Mitsubishi anunciou a criação de uma comissão especial de investigação, composta apenas por especialistas externos. Um relatório deve ser apresentado em três meses.

Vários diretores afirmaram na entrevista coletiva que os métodos de medição de eficiência energética não foram substituídos quando, há alguns anos, o governo japonês determinou uma modernização à indústria automobilística.

Leia mais:

Mitsubishi revela que manipulou dados de eficiência energética

Volkswagen vai assumir US$ 18,2 bi em encargos por fraude em testes de emissões

Salva da falência – Na semana passada, o Ministério dos Transportes realizou uma operação na empresa, uma década depois de a montadora ter sido salva da falência após a descoberta de que ela havia ocultado uma série de falhas em seu veículos. No sábado, o jornal econômico Nikkei informou que a empresa pretende indenizar os clientes afetados pela fraude.

As novas revelações levantam suspeitas sobre o futuro da indústria japonesa, mas também sobre o setor de automóveis, depois de uma sequência de escândalos nos últimos meses sobre os testes de eficiência e os controles das emissões de poluentes.

Para a montadora alemã Volkswagen, que admitiu ter colocado um dispositivo no motor de 11 milhões de veículos em todo o mundo para que apresentassem um resultado menor de contaminação, o escândalo provocou perdas milionárias e os custos finais ainda não podem ser calculados. Em 2015, a Volks registrou perdas líquidas de 1,58 bilhão de euros, seu primeiro balanço anual no vermelho em mais de vinte anos.

A Mitsubishi tem 30.000 funcionários e vende 1 milhão de veículos por ano em todo o mundo. Na quarta-feira, a empresa deve apresentar os resultados para o ano fiscal encerrado em março, mas provavelmente não divulgará projeções para o atual exercício.

A empresa já havia advertido que o impacto do escândalo será grande. De acordo com analistas, as consequências serão piores que as sofridas pela Volkswagen.

(Com AFP)