Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Minoritários da Portugal Telecom se mobilizam contra venda da empresa

O conselho de administração da Oi, dona dos ativos portugueses, aprovou a venda para a francesa Altice

Por Da Redação - 9 dez 2014, 21h08

Acionistas minoritários da Portugal Telecom (PT) estão se mobilizando para tentar impedir a venda da tele portuguesa pela Oi, após a fusão entre as companhias. O conselho de administração da empresa brasileira, dona dos ativos portugueses, aprovou a venda para a francesa Altice, mas o negócio ainda será submetido à assembleia geral de acionistas da PT. Nesta terça-feira, a Oi informou que celebrou o contrato com a Altice.

O presidente da Associação de Investidores e Analistas Técnicos (ATM), Octávio Viana, defende que a PT, que possui 25,6% das ações da Oi, utilize o poder de veto na operação. Viana afirmou que enviou uma carta, no último dia 1, pedindo à administração da PT que se posicione contra a venda da operação portuguesa.

Leia também:

Novo presidente da Oi demite 150 executivos

Publicidade

Oi rejeita oferta de Terra Peregrin por fatia da Portugal Telecom

Grupos de investimentos fazem oferta por ativos da PT Portugal

Na reunião do conselho, os representantes da PT se abstiveram da votação. Com isso, a convocação da assembleia se tornou necessária – a previsão é de que ocorra até o dia 20. Analistas de mercado ouvidos pelo jornal lembram que, se for vetada pelos acionistas da PT, a venda ficará comprometida, mas há a expectativa de que ocorra a aprovação.

Ação judicial – O presidente da ATM disse também que entrará com ação judicial, em Lisboa, para pedir a anulação do aumento de capital feito pela empresa brasileira em meio ao processo de fusão duas companhias.

Publicidade

O procedimento, concluído em maio deste ano, totalizou 14 bilhões de reais, sendo que a PT aportou os seus ativos no processo, avaliados em 5,7 bilhões de reais. No entanto, a PT fez aplicação em papéis comerciais da Rioforte, holding do Grupo Espírito Santo (GES), e tomou calote de 897 milhões de euros em julho.

Para manter a fusão, as duas empresas acertaram que a PT entregaria ações da Oi à brasileira e receberia os papéis da Rioforte. Os títulos podres foram isolados na holding PT, enquanto a operação da tele, alvo de negociação agora, ficou com a Oi. Com o rearranjo, a participação da PT na Oi cai de 37,3% para 25,6%.

Os papéis serão mantidos em tesouraria. A portuguesa recebeu uma opção de compra das ações, que permitirá que recomponha essa fatia em seis anos, mediante algumas condições. Já há um processo em que a ATM pede a anulação da assembleia que aprovou a permuta das ações pelos títulos podres.

Viana defende que os acionistas da PT votaram a favor da fusão entre as companhias sem saberem da aplicação na Rioforte, o que só veio à tona em julho. “Foi uma fusão baseada em um erro”, afirmou.

Publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade