Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ministro revoga construção de 11.250 unidades do Minha Casa, Minha Vida

Ministério das Cidades afirmou que decisão é uma medida de cautela, pois as autorizações foram publicadas nos últimos dias do governo Dilma e 'sem os recursos necessários'

Por Da Redação 17 Maio 2016, 23h56

O novo ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), revogou nesta terça-feira uma portaria do governo Dilma Rousseff que autorizava a ampliação do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. A medida, publicada na última quarta, um dia antes do afastamento da petista, autorizava a contratação de 11.250 unidades na modalidade entidades.

Segundo o Ministério das Cidades, a decisão é uma “medida de cautela”, pois as autorizações foram publicadas “nos últimos dias do governo anterior e sem os recursos necessários para o atendimento”. “A partir de agora as equipes técnicas da Secretaria Nacional de Habitação do Ministério das Cidades vão analisar e discutir o modelo de habilitação na modalidade Entidades”, destaca nota emitida pelo ministério.

LEIA TAMBÉM:

Congresso vota nova meta fiscal na próxima semana

Propor volta da CPMF ‘é prematuro’, diz Meirelles

Continua após a publicidade

De acordo com o ministério, a contratação nesta modalidade representa 1,5% de todo o Minha Casa, Minha Vida. O novo ministro destacou que o programa habitacional “está mantido e será aperfeiçoado”.

A portaria faz parte do anúncio feito no 1º de maio, pela presidente afastada, de contratar mais 25 mil moradias neste ano para as entidades e movimentos sociais, ao custo adicional de 1 bilhão de reais. O restante das moradias estava direcionado para a versão rural do MCMV. A modalidade Entidades atende famílias com renda mensal de até 1.800 reais.

Do total de casas contratadas dessa modalidade ainda na primeira etapa (governo Lula), mais da metade ainda precisa ser entregue. Da segunda fase, sob o comando de Dilma, apenas 8,9% das moradias foram finalizadas.

Entidades – A modalidade Entidades difere da maneira como o governo toca as outras obras do Minha Casa, Minha Vida. Primeiro, pela forma como são feitos os repasses, parcelados, diretamente para as entidades. No restante do programa, os pagamentos são feitos às construtoras à medida em que as obras andam.

Engenheiros dos bancos públicos (Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil) são responsáveis por essa medição. No MCMV Entidades, uma parcela do dinheiro é repassada antes mesmo do início das obras. As associações e os movimentos sociais têm liberdade para contratar as construtoras ou construir as casas por meio de mutirões, por exemplo.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês