Ministério da Fazenda terá dois de três assentos no novo CMN

Com a nova estrutura, dois votos serão ligados diretamente ao ministro Paulo Guedes

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 1 jan 2019, 23h49 - Publicado em 1 jan 2019, 23h48

Por Fernando Nakagawa

Brasília – O Ministério da Fazenda terá dois dos três votos do novo Conselho Monetário Nacional (CMN). A nova estrutura da instância que define a meta de inflação e regras para o setor bancário prevê que as decisões serão tomadas pelo ministro da Economia, presidente do Banco Central e secretário especial de Fazenda do próprio Ministério da Economia. Assim, dois votos serão ligados diretamente a Paulo Guedes – o próprio voto do ministro e de seu secretário de Fazenda.

Antes da chegada do governo Jair Bolsonaro, o CMN era composto pelos ministros da Fazenda e do Planejamento, além do presidente do Banco Central. Os votos eram, portanto, de três pastas diferentes e representados por três diferentes ministros de Estado.

Entre as responsabilidades do CMN está o estabelecimento da meta de inflação, regular e zelar pela solvência e liquidez do sistema financeiro, coordenar as políticas monetária, creditícia, orçamentária, fiscal e da dívida pública, além de orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras para criar condições favoráveis ao desenvolvimento harmônico da economia nacional.

Publicidade