Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Milho impulsiona alta na previsão de colheita de grãos para 2012, diz IBGE

Por Da Redação 10 Maio 2012, 11h01

Rio de Janeiro, 10 mai (EFE).- O Brasil elevou a previsão de colheita de grãos deste ano para 159,3 milhões de toneladas, sobretudo pelo aumento da área plantada com milho, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

A nova previsão, calculada a partir das visitas dos técnicos ao campo em abril, é 0,5% maior à projetada em março (158,6 milhões de toneladas). Apesar da revisão de alta, a produção prevista de cereais, leguminosas e oleaginosas em 2012 será 0,5% inferior à de 2011, quando alcançou um recorde de 160,1 milhões de toneladas, segundo o IBGE.

O Instituto aumentou, pelo segundo mês consecutivo, sua projeção após constatar que a área plantada neste ano chegará a 50,2 milhões de hectares, com crescimento de 0,8% ante a calculada em março e de 3,2% na comparação com a do ano passado. O produto que mais influenciou na revisão foi o milho, cuja área plantada este ano será 14,1% superior à de 2011.

A produção esperada de milho será de 67,3 milhões de toneladas, 19,5% superior à do ano passado. De acordo com as estimativas, o aumento da colheita de milho compensará em parte as perdas sofridas pelas de soja e arroz como consequência da seca que afetou o sul do país no início do ano.

A colheita de soja, perto de 66 milhões de toneladas, será 11,4% inferior à de 2011, enquanto a de arroz diminuirá 13,8%. A soja, o milho e o arroz representam 91,2% da produção total de grãos do Brasil e 84,3% da área plantada.

Segundo o IBGE, além do milho, outros produtos registrarão uma colheita melhor neste ano ante 2011: algodão (1,6%), aveia (2,9%), café (16,9%), cana-de-açúcar (3,9%), cebola (2,8%), cevada (2,6%) e mandioca (2,2%).

Entre os que registrarão uma queda na produção, além do arroz e soja, se destacam cacau (-2,2%), feijão da primeira safra (-27%), feijão da terceira safra (-9,1%), laranja (-0,4%), mamona (-52,5%), sorgo (-10,7%) e trigo (-15,9%). EFE

Continua após a publicidade
Publicidade