Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Metalúrgicos do Estado de São Paulo iniciam paralisações

Cerca de 56 mil profissionais na região do ABC paulista realizam greve de 24h nas fábricas; a região de São José dos Campos pode aderir nesta terça-feira

Por Da Redação 10 set 2012, 17h58

A despeito da crise econômica brasileira, trabalhadores pede reajuste real, isto é, acima da inflação

Os sindicatos que representam os metalúrgicos estão se mobilizando no Estado de São Paulo para conseguir reajustes salariais, numa queda de braço com os empresários do setor. Nesta segunda-feira, cerca de 56 mil metalúrgicos na região do ABC paulista realizam paralisação de 24h nas fábricas.

Há possibilidade nesta terça de o movimento ser realizado em São José dos Campos. Sindicalistas de Sorocaba e região de São Carlos estão em prontidão.

A adesão à paralisação no ABC foi de 80%, dentre os 70 mil trabalhadores filiados ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC que participam de campanha salarial neste ano. A paralisação dos 56 mil trabalhadores da região pode se estender por prazo indeterminado, caso as negociações com o setor patronal não avancem.

A medida é uma forma de pressão dos trabalhadores para que as empresas façam propostas de reajuste salarial que se aproximem das reivindicações da categoria. Os metalúrgicos não aceitam proposta de reajuste sem aumento real. Até agora, exceto o setor de fundição, a classe patronal apresentou proposta de aumento de 5%, o que não repõe a inflação do período (5,39%, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC), de acordo com a Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores de São Paulo (FEM CUT-SP).

Continua após a publicidade

Interior – Além dos metalúrgicos do ABC, os trabalhadores da região de São José dos Campos (SP) podem entrar em greve a partir desta terça-feira. O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, filiado à CSP-Conlutas, tem reunião marcada com os trabalhadores para as 18h para decidir os rumos da mobilização. A expectativa, segundo o vice-presidente do sindicato, Herbert Claros, é que os 44 mil trabalhadores da base do sindicato cruzem os braços no dia seguinte.

Os metalúrgicos de São José dos Campos pedem 7,48% de aumento real, além da reposição da inflação. De acordo com o vice-presidente do sindicato, a maioria das propostas foi de 5% de reajuste, o que exclui aumento real nem cobre a inflação do período.

Em Sorocaba, os trabalhadores realizarão protestos e paralisações a qualquer momento. Hoje, os metalúrgicos de uma das fábricas da região atrasaram duas horas e 30 minutos a entrada do primeiro turno de trabalho. No período da tarde, cerca de 2 mil metalúrgicos de diversas fábricas protestaram por cerca de 1 hora na zona industrial da cidade.

A diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região, que faz parte da base da FEM, reuniu-se nesta tarde para definir as estratégias de mobilização da categoria e deliberou que os protestos continuam ao longo da semana. São 46 mil trabalhadores concentrados na base do sindicato. A montadora Toyota, recém inaugurada na cidade, não participa da campanha salarial.

A região de São Carlos também terá uma semana de protestos na porta das empresas. Hoje, atrasos de cerca de 20 minutos em todos os turnos são realizados pelos metalúrgicos da base do Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos e Região, que tem 13 mil trabalhadores. Os funcionários da Volkswagen na região não participam da campanha salarial, pois fecharam acordo por dois anos em 2011.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade