Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Merkel pede união fiscal na UE, mesmo com desigualdades

Premiê alemã afirmou que o bloco precisa de mais mecanismos de controle, ainda que a integração dos países-membros ocorra em diferentes velocidades

Por Da Redação 7 jun 2012, 05h54

Em entrevista à televisão alemã, a primeira-ministra da Alemanha Angela Merkel defendeu nesta quinta-feira que a União Europeia aprofunde sua união política e fiscal, mesmo que alguns países-membros se integrem mais lentamente do que outros.

Leia também:

Leia também: Alemanha se opõe que fundos ajudem diretamente bancos

A chanceler da maior potência econômica do continente disse que a solução para os problemas econômicos do bloco é “mais Europa”, incluindo um orçamento unificado. “Precisamos de união política antes de tudo e acima de tudo”, declarou Merkel.

“Passo a passo, nós precisamos a partir de agora transferir mais competências para a Europa, e dar à Europa mais mecanismos de controle”, defendeu a premiê. Merkel, no entanto, mostrou-se cética a respeito da possibilidade de o bloco assumir conjuntamente os prejuízos pela crise da dívida na zona do euro.

Espanha – O socorro conjunto das economias da eurozona em dificuldade, sobretudo Grécia e agora a Espanha, desde início da crise só tem sido considerado pela Alemanha mediante a apresentação de garantias mínimas e a adoção de medidas de austeridade radicais.

A respeito da crise bancária espanhola, o ministro britânico da Economia, George Osborne, declarou nesta quinta que a zona do euro deveria usar seu fundo de resgate para recapitalizar as instituições financeiras do país ibérico com problemas. Osborne afirmou que se a união monetária se transformar numa união bancária, como propôs a Comissão Europeia, o governo britânico irá exigir salvaguardas para proteger o seu sistema financeiro.

“Não existe a mínima chance de a Grã-Bretanha integrar uma união bancária europeia”, declarou nesta quinta o primeiro-ministro britânico David Cameron. O premiê também afirmou que a Alemanha não pode resolver a crise sozinha e um plano urgente para estabilizar a moeda comum.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade