Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mercados na Europa recuam com dados fracos da região

Revisão de perspectivas para o PIB da China e incertezas sobre situação grega fizeram as bolsas iniciarem a semana em queda

Os principais índices do mercado de ações da Europa fecharam em baixa, pressionados por dados que mostraram uma contração maior do que a esperada na atividade das empresas da zona do euro e também pelo fato de a China ter reduzido sua meta de crescimento econômico para menos de 8% ao ano.

Dados divulgados mais cedo mostraram que o índice de atividade do setor privado da zona do euro foi revisado para 49,3 em fevereiro, leitura inferior à preliminar, que havia sido de 49,7, e que indica contração por estar abaixo de 50. Além disso, o primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, afirmou que o governo pretende buscar a meta de crescimento econômico de 7,5% neste ano, taxa menor do que a de 8%, nível que vinha sendo utilizado por Pequim nos últimos oito anos.

“O rali recente das bolsas foi baseado em liquidez, mas na semana passada o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, não mencionou nada que indicasse a injeção de mais dinheiro no sistema financeiro”, disse Philippe Gijsels, diretor de pesquisas do BNP Paribas Fortis Global Investors. “Daqui para frente, os mercados terão de subir baseados em indicadores econômicos e esse dado sobre a atividade (do setor privado) foi um bom motivo para realizar lucros”, acrescentou.

O índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 1,65 ponto, ou 0,62%, para 265,56 pontos. Na Bolsa de Londres, o FTSE-100 recuou 36,31 pontos, ou 0,61%, para 5.874,82 pontos. Em Paris, o CAC 40 perdeu 13,63 pontos, ou 0,39%, para 3.487,54 pontos. Na Bolsa de Frankfurt, o Xetra DAX fechou em baixa de 54,91 pontos, ou 0,79%, a 6.866,46 pontos.

Em Milão, o índice FTSE MIB caiu 115,36 pontos, ou 0,68%, para 16.787,15 pontos. O IBEX 35, da Bolsa de Madri, recuou 109,90 pontos, ou 1,28%, para 8.453,50 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 teve queda de 24,46 pontos, ou 0,43%, para 5.640,50 pontos. O ASE, da Bolsa de Atenas, fechou em baixa de 14,62 pontos, ou 1,95%, para 734,10 pontos.

As ações do setor financeiro também recuaram, pressionadas pelos sinais de fraqueza na economia europeia. Em Madri, caíram BBVA (-1,8%), Santander (-2,0%), CaixaBank (-1,3%) e Banco de Sabadell (-2,6%). Na Bolsa de Milão, tiveram queda Banco Popolare (-1,3%), Unione di Banche Italiane (-1,3%) e Banca Popolare dell’Emilia Romagna SCARL (-3,1%). Em Frankfurt, o Commerzbank fechou em baixa de 3,3% e o Deutsche Bank perdeu 2%.

Grécia – Também pesaram no sentimento de investidores dados demonstrando que é pouco provável que a zona do euro consiga evitar uma recessão após o setor privado da região ter voltado a declinar no mês passado. O FTSEurofirst 300 estendeu perdas à tarde após a Grécia ter alertado que estava pronta para efetivar as perdas de seus credores privados, reforçando especulações de que um número insuficiente de credores haviam aceitado a oferta de troca de dívida de Atenas.

(Com Agência Estado e Reuters)