Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mercado financeiro volta a elevar projeção de inflação

Taxa básica da economia, a Selic, no entanto, permanece estável em 12,5%.

Por Da Redação 7 fev 2011, 08h29

O mercado financeiro elevou a previsão da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2011, como mostra pesquisa Ficus divulgada nesta segunda-feira pelo Banco Central. A expectativa para a inflação neste ano subiu de 5,64% para 5,66%, em um patamar ainda mais distante do centro da meta de inflação, que é de 4,50% para o ano. Já a projeção para a táxa básica de juros da economia, a Selic, manteve-se inalterada em 12,5%.

Os analistas, no entanto, reduziram a projeção para a inflação em 2012, de 4,70% para 4,61%. No caso da inflação de curto prazo, o mercado elevou de 0,74% para 0,78% a previsão para o IPCA de janeiro de 2011. Para a inflação de fevereiro, a taxa prevista seguiu em 0,80%, de acordo com a Focus.

No primeiro relatório de fevereiro, todas as perspectivas para os índices relacionados à inflação apresentam variação positiva. O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) varia de 5,96% para 6% ao mesmo tempo em que o Índice Geral de Preços – Fipe registra variação mais intensa: de 4,96% para 5,43%. Encaixada nas perspectivas de alta também está o item Balança Comercial. O indicador tem boa sinalização do mercado e fechou o relatório com projeção de superávit de 9,570 bilhões de dólares.

A previsão para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2011 permaneceu em 4,60%. Para 2012, a expansão projetada seguiu em 4,50%. A estimativa para o crescimento da produção industrial em 2011 passou de 5,03% para 5%. Para 2012, a projeção para a expansão da indústria seguiu em 5,00%.

Para o mercado de câmbio, os analistas preveem que o dólar encerre 2011 em 1,73 real, ante o patamar de 1,75 real estimado na semana anterior. A projeção do câmbio médio no decorrer de 2011 seguiu em 1,71 real. Para o fim de 2012, a previsão para o câmbio permanece em 1,80 real.

Os itens Dívida Líquida do Setor Público e Conta Corrente – total das transações de bens e serviços do Brasil com o exterior – mantém o curso otimista. A primeira com queda de 39,10% para 39,09% do Produto Interno Bruto (PIB) e a segunda com déficit decrescente de 67,49 bilhões de dólares.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês