Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mercado financeiro reduz previsão do PIB pela quarta vez consecutiva

Expectativa de crescimento da economia recuou 0,01 ponto na última semana e 0,57% no ano, em meio a incertezas sobre a reforma da Previdência

Por Larissa Quintino
Atualizado em 25 mar 2019, 11h54 - Publicado em 25 mar 2019, 09h51

Pela quarta semana consecutiva, analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central reduziram a previsão de crescimento da economia brasileira este ano. Segundo projeções compiladas pelo Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 25, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2019 deve ser de 2%.

A revisão é o resultado de uma semana marcada pela quebra da expectativa dos investidores sobre a aprovação da reforma da Previdência, graças a ruídos entre o presidente da República Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia. O recuo nas previsões foi pequeno, de 0,01 ponto porcentual, mas consolida uma expectativa no mercado de crescimento mais lento da economia.

Neste ano, os economistas ouvidos pelo BC já chegaram a prever o PIB em 2,57%, na segunda semana do governo Jair Bolsonaro. No fim do ano passado, a expectativa para o crescimento da economia em 2019 era de 2,55%.

Continua após a publicidade

Os economistas também baixaram a previsão do PIB para 2020: de 2,80% para 2,78%.

O PIB é a soma de todos os produtos e serviços produzidos no Brasil em um ano e mede o valor da economia. Em 2018, o crescimento foi de 1,1%, mesmo patamar de 2017.

Continua após a publicidade

Inflação e juros

Os outros indicadores que compõem o Boletim Focus ficaram estáveis na semana de acordo com as projeções do mercado. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) teve a previsão mantida em 3,89% e segue abaixo da meta de inflação estipulada pelo governo mas dentro da margem de segurança.

Para este ano, a meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) é de 4,25%. O intervalo de tolerância é entre 2,75% e 5,75%, 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

A Selic, taxa básica de juros da economia, foi mantida em 6,5% para o final deste ano, menor patamar da história. Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve pela oitava vez consecutiva a taxa em 6,5%.

Continua após a publicidade

O dólar comercial também ficou estável e deve terminar o ano vendido a 3,70 reais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.