Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mercado faz aposta unânime em alta da Selic na próxima semana

Segundo analistas, juros futuros já mostram 100% de chance alta da taxa na próxima reunião do Copom

Os juros futuros, especialmente os com vencimento no curto prazo, dispararam na manhã desta quinta-feira em meio às preocupações com a alta de preços. As taxas passaram a precificar 100% de chance de alta da Selic na reunião da semana que vem do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central.

A primeira prévia do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), divulgada nesta quinta-feira ficou bem perto das estimativas mais pessimistas dos analistas do mercado financeiro. Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o indicador subiu 0,42% e as projeções iam de 0,18% a 0,44%.

Leia também:

BC já perdeu a chance de combater inflação em 2013

Inflação acima da meta comprova descaso do governo

Vendas do varejo caem 0,4%, mas a receita cresce 0,6%

Além do IGP-M, a aceleração da inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no critério ponta, calculado pela FGV, reforçou o pessimismo com a alta de preços. Segundo fonte que teve acesso ao dado, o IPCA ponta acelerou a alta de 0,39% para 0,50% entre o dia 9 e 10. Dentro dele, o item Alimentação e Bebidas passou de 1,28% para 1,36%.

De acordo com um operador, a percepção no mercado futuro de juros é de que a alta virá. “Resta saber quando começa o ciclo e com quanto”, afirmou.

Para o gerente de renda fixa da Leme Investimentos, Paulo Petrassi, “o cenário para a inflação é ruim e aumenta a pressão sobre o Banco Central para subir a Selic”. “Neste momento, a curva a termo precifica 24 pontos básicos de alta da Selic, ou praticamente 100% de chance de alta de 0,25 ponto porcentual na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) da semana que vem”. “Dá para dizer que há 0,25 para abril e 0,25 para maio precificados”, completou.

Às 10h50, na BM&FBovespa, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para julho de 2013 tinha taxa de 7,38%, ante 7,28% no ajuste de quarta-feira. O DIpara janeiro de 2014 marcava 7,99%, ante 7,90% no ajuste. O DI para janeiro de 2015 apontava 8,55%, de 8,48%. O contrato com vencimento em janeiro de 2017 tinha taxa de 9,15%, de 9,11% na véspera.

(Com Estadão Conteúdo)