Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Mercado eleva previsão da inflação pela sétima semana

Analistas ouvidos pelo BC aumentaram projeção do IPCA de 8,37% para 8,39% e da Selic de 13,75% para 14%. Economistas também apostam em retração maior do PIB em 2015

Por Da Redação 1 jun 2015, 09h15

Os analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central na última semana projetaram uma piora no quadro da economia brasileira neste ano, com inflação e juros mais elevados e uma maior contração do Produto Interno Bruto (PIB). Segundo o boletim semanal Focus, divulgado pelo BC nesta segunda-feira, o mercado voltou a elevar o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 8,37% para 8,39% em uma semana. Trata-se da sétima semana consecutiva em que o indicador é ajustado para cima.

Se a estimativa for confirmada, a inflação estourará o teto da meta, de 6,5%, em 2015, e registrará o maior índice desde 2003, quando chegou a 9,3%.

Com o IPCA nas alturas, os economistas preveem que o governo federal tentará segurar os preços com o aumento da taxa básica de juros, a Selic. Na última semana, a previsão é que ela ficaria em 13,75% neste ano. Nesta segunda-feira, a taxa foi reajustada para 14%. O Comitê de Política Monetária (Copom) se reunirá nesta semana para decidir sobre a elevação da Selic.

O relatório também projeta uma retração de 1,27% no resultado do PIB deste ano. Na semana passada, a estimativa era de um recuo de 1,24%. Se for concretizado, este será o pior desempenho da economia brasileira desde 1990, quando caiu 4,35%.

Na última sexta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o PIB recuou 0,2% no primeiro trimestre deste ano. Segundo o IBGE, o consumo médio das famílias, os investimentos, a indústria e o setor de serviços puxaram o resultado para baixo, enquanto que o desempenho da agropecuária e as exportações cresceram, impedindo que o PIB caísse ainda mais.

Leia também:

Consumo em queda faz economia recuar 0,2% no 1º trimestre

Tudo sobe, menos os salários Mercado aumenta projeção da inflação pela 6ª vez seguida

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade