Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mercado eleva expectativa para inflação; e reduz a do PIB

Analistas consultados pelo BC estimam que o IPCA feche o ano com alta de 6,30%, muito próximo ao teto da meta (6,50%). Contudo, projeção para a Selic permanece em 11,25% para 2014

Analistas consultados pelo Banco Central elevaram suas estimativas para a inflação neste ano. Segundo mostra o relatório semanal Focus, divulgado nesta segunda-feira, a expectativa média para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 6,28% para 6,30%, aproximando-se ainda mais do teto da meta oficial, de 6,5%. O número é também maior do que a expectativa do BC para o ano, de 6,1%, divulgada no Relatório Trimestral de Inflação na semana passada.

Mesmo assim, os economistas mantiveram sua perspectiva para a Selic, taxa básica de juros, neste ano em 11,25%. A perspectiva para a inflação é um dos componentes que mais pesam na avaliação do Comitê de Política Monetária (Copom) em suas reuniões periódicas, em que são definidos os rumos da taxa de juros do país. A próxima acontecerá nesta terça e quarta-feira e a expectativa é de que o Copom eleve ainda mais os juros – que estão em 10,75% – diante de uma inflação persistente. Para 2015, o mercado manteve também sua expectativa média para o IPCA e para a Selic em 5,80% e 12% ao ano, respectivamente.

Leia mais:

Inflação do aluguel acelera alta para 1,67% em março

BC projeta crescimento de 2% e inflação acima de 6%

Ainda segundo o Banco Central, o mercado diminuiu de 1,70% para 1,69% sua estimativa média para o crescimento da economia brasileira neste ano. Para 2015, a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) não foi alterada, permanecendo em 2%.

No Relatório Trimestral de Inflação, o BC projeta alta de 2% para o PIB neste ano, menor que o resultado de 2013 (2,3%) e mais baixo também do que a estimativa da Fazenda, de 2,5%.

Leia também:

Produtividade baixa impede que o Brasil cresça mais

Em Davos, Tombini admite: ‘Crescer 2% não é suficiente. Precisamos fazer mais’

Para Tombini, alta do preço de alimentos é ‘choque temporário