Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mercado corta previsão de crescimento para 2013 e 2014

Perspectiva de expansão do PIB neste ano foi reduzida a 2,30%

Economistas de instituições financeiras reduziram as perspectivas para o crescimento econômico deste e do próximo ano, de acordo com o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira pelo Banco Central. A previsão de crescimento para 2013 foi cortada de 2,35% para 2,30% e, em 2014, o mercado projeta um crescimento de 2,01%, ante leitura de 2,10% na semana anterior.

A previsão de uma economia com crescimento ainda fraco deve-se a resultados pouco animadores. As vendas no varejo brasileiro voltaram a desacelerar em outubro ao crescerem 0,2%. Embora o resultado tenha sido o oitavo positivo, ficou abaixo do esperado. Dados da indústria também não são muito animadores, apesar de mostrar algum crescimento nos últimos meses, no acumulado do ano a produção teve alta de 1,6% até outubro.

A oscilação do PIB também reflete o cenário de incertezas: o país alternou crescimento praticamente nulo no primeiro trimestre, com forte alta no segundo e retração entre julho e setembro.

Leia também:

Prévia do PIB avança 0,77% em outubro

Brasil registra menor expansão do PIB entre países do G-20

Mercado financeiro reduz previsão de inflação em 2013 e 2014

Inflação – O ajuste na taxa de crescimento ocorre em paralelo ao cenário de alta de preços no ano que vem: 5,95%, ante 5,92% da semana anterior. Para este ano, a perspectiva ficou inalterada em 5,70%. A perspectiva para a inflação nos próximos doze meses, por sua vez, foi reduzida de 6,04% para 6,03%.

Selic – As mudanças nas duas variáveis não influenciou o cenário para a taxa básica de juros. Para os economistas consultados pelo BC, a Selic ficará em 10,50% no fim do ano que vem, mesma taxa há três semanas.

A manutenção ocorre depois de o BC ter deixado em aberto as perspectivas para o futuro da política monetária na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Já para janeiro, o Focus mostrou manutenção da projeção de aumento de 0,25 ponto porcentual na taxa básica de juros.

Entretanto, no chamado Top-5 de médio prazo, que compõe as instituições que mais acertam as projeções nesse período, a expectativa continua sendo de maior aperto em 2014: a mediana das estimativas aponta que o juro básico encerrará 2014 a 11%.

(com Agência Reuters)