Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Mendonça de Barros: O PIB do primeiro trimestre é uma miragem

Nos primeiros dois meses de 2020, antes dos efeitos da crise provocada pela Covid-19, o Brasil cresceu mais de 2% ao ano – isto, porém, não existe mais

Por Luiz Carlos Mendonça de Barros* 29 Maio 2020, 10h05

Uma primeira observação sobre a queda de 1,5% do PIB do Brasil no primeiro trimestre de 2020 é que ele representa para nós brasileiros uma miragem. Isso acontece porque nos primeiros três meses do ano tivemos dois períodos bem distintos em termos de crescimento econômico. Nos primeiros dois meses, antes que os efeitos da crise provocada pela Covid-19 nos atingisse, a economia brasileira cresceu mais de 2% ao ano. Este crescimento – que não existe mais – influenciou dois terços do número divulgado pelo IBGE. Foi só em março que começamos a sentir os efeitos do afastamento social e, principalmente, da crise nos mercados financeiros mundo a fora.

Para entender esta imagem da miragem, basta olhar para os números do PIB nas maiores economias do mundo nos mesmos primeiros três meses do ano e compará-los com o Brasil. Nos Estados Unidos, a economia reduziu-se em 5%; e na Itália, 5,4%. Mesmo em Portugal, que é hoje a economia da Europa com melhor resultado econômico, o PIB caiu 3,8%. Portanto, devemos nos preparar para viver nos próximos meses talvez a pior recessão de nossa história, com um aumento significativo do desemprego – os números divulgados nesta semana na pesquisa trimestral da Pnad também são apenas uma amostra do que vem pela frente – e do déficit fiscal do governo federal.

O último indicador publicado recentemente com algum sinal positivo – o resultado da conta corrente pelo Banco Central – vai ajudar a estabilizar a louca desvalorização do real nos mercados de câmbio que temos visto nos últimos meses. Sob o peso deste desequilíbrio fiscal criado pela necessidade de minorar a situação de empresas, de trabalhadores, de estados e de municípios, a dívida interna do governo federal deverá encostar no valor nominal do PIB. Este é um problema, porém, que só poderá ser tratado quando a economia ganhar novamente sustentação em 2021 e, portanto, não adianta se preocupar agora.

*Economista e engenheiro, Luiz Carlos Mendonça de Barros foi presidente do BNDES e ministro das Comunicações.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)