Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Meirelles nega estar ameaçado no cargo e diz que pressão é normal

Manifestação do ministro da Fazenda ocorre após o presidente Michel Temer dizer no domingo que Meirelles tem seu "total apoio"

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, negou nesta segunda-feira, que seu cargo no governo esteja em risco. Perguntando se está sendo “fritado” por aliados, ele afirmou: “Não tenho visto isso.” As declarações de Meirelles acontecem após rumores que aliados estariam descontentes com o desempenho da equipe econômica e pressionando por mudanças. Na última semana, o IBGE divulgou o PIB do terceiro trimestre de 2016, com retração de 0,8% ante o trimestre anterior. O resultado foi pior que o esperado por analistas.

No domingo, o presidente da República, Michel Temer, disse que Meirelles tem seu “total apoio”. O presidente afirmou também que não há nenhuma intenção de se compartilhar o comando da política econômica.

Segundo ele, é normal que haja pressão sobre membros do governo e ele já teve uma experiência semelhante quando foi presidente do Banco Central, durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Acho que agora (a pressão) é até um pouco menor”, comentou. A declaração foi dada após sua participação no 12º Congresso Brasileiro da Construção, em São Paulo.

Em meados do ano passado o então ministro da Fazenda, Joaquim Levy, também começou a ser pressionado, à medida que a economia não reagia, mesmo com o forte plano de ajuste fiscal defendido por ele. O ministro, na ocasião, rechaçou os comentários sobre sua possível saída do cargo, mas no fim do ano acabou deixando o governo Dilma Rousseff sendo substituído por Nelson Barbosa.

Crescimento da economia

No evento, Meirelles afirmou que há um consenso de que a economia brasileira crescerá em 2017, mas o que se discute é o ritmo. Apesar dessa fala, alguns analistas já projetam nova recessão no ano que vem. Na pesquisa Focus, a expectativa para o crescimento em 2017 caiu de 0,98% para 0,80%.

Meirelles afirmou que houve uma expectativa muito grande quando Temer assumiu a Presidência da República de que haveria uma melhora na economia, porque as medidas corretas já estavam sendo tomadas. Entretanto, talvez tenha ocorrido uma avaliação apressada, já que a atual crise é diferente das outras, por ser mais profunda e prolongada, o que afeta a saúde financeira das empresas e torna a retomada da economia mais demorada. “A urgência para tirar o país da crise existe desde o momento em que assumimos”, afirmou.

Pacote de medidas

Questionado se o governo vai mesmo lançar um pacote com dez medidas microeconômicas para estimular a economia, Meirelles disse que uma série de ações está sendo estudada, mas ainda estão em elaboração. Ele voltou a afirmar que, no momento, não há planos de aumentos de impostos e, perguntando se o governo analisa novas isenções tributárias para ajudar alguns setores, ele afirmou que “não pretendemos aumentar o déficit público dando mais desonerações”. “Os remédios básicos que resolvem a doença (da economia) já estão começando a funcionar. O Brasil saiu da UTI, mas ainda não está correndo, como todos ansiamos”, afirmou.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Democrata Cristão

    Você acha que a maioria das empresas que estão no leste Asiático, isto é, China e Tigres Asiáticos, são nacionalistas, não são caros amigos, elas estão lá porque é propício produzir e lucrar. Se o Brasil não oferecer este ambiente propício, pode fazer a reforma que for, elas não virão para cá!

    Curtir

  2. daniel camilo do rosario

    Quem sempre mandou no Brasil, foram os banqueiros. Foi assim com Lula e Dilma. Nunca os bancos lucraram tanto com empréstimos à pessoa física. Será diferente com Michel Temer? Não. Henrique Meirelles trabalha para os banqueiros nacionais e internacionais. Essas reformas e Pec que ele tanto defende é para tirar dinheiro do povo e pagar os juros da dívida externa. Além, de bancar as regalias do parlamentares e Ministros. Por quê o governo não começou a reforma econômica reduzindo cargos, extinguindo cartão corporativo e reduzindo os salários dos próprios? O ex vem de cima!

    Curtir

  3. Os Amigos “Democrata Cristão” e “daniel” estão cobertos de razão ! Eu acrescentaria mais um ponto fundamental … a brincadeira do ajustamento da Celic pouca influencia tem se comparado com o enorme ajustamento – palavra errada na verdade – que os juros dos cartões, cheque especial, etc necessitam … sendo verdade que com jeitinho não se pagam os 400 e tal %, porque os bancos e financeiras para receberem algum até estão a “baixar as calças”, a grande maioria da população encravada nessa armadilha até os vai pagando … ora, para além do roubo que tais juros representam, uma taxa “normal” com uma ou outra penalidade (está certo), permitiriam descomplicar essas pessoas (muitos milhões), permitindo-lhes novo acesso ao consumo (que deverá ser moderado), que contribuiria para um reativar da economia, crescimento do PIB, etc.

    Curtir