Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Medida abre espaço para BC reduzir juros, diz Mantega

Por Da Redação 29 ago 2011, 13h50

Por Fernando Nakagawa

Brasília – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, explicou que as medidas fiscais anunciadas hoje poderão abrir espaço para que o Banco Central (BC) possa, eventualmente, adotar medidas expansionistas para a economia, caso seja necessário.

“Temos de mudar essa equação entre a política fiscal e monetária. Se tivermos uma situação pior, o BC estará em condições de reagir com uma política monetária mais expansionista, caso haja um agravamento”, disse em entrevista coletiva hoje. “Queremos mais política monetária e menos política fiscal, menos gasto no fiscal”. “Se tiver deterioração, o BC terá grau de liberdade para tomar medidas para uma eventual desaceleração da taxa de crescimento da economia ou uma redução do comércio internacional”, exemplificou.

Ao anunciar as medidas e o efeito sobre a credibilidade brasileira, Mantega avaliou que a situação externa segue indefinida, com grandes chances de piora. “Tomara que os países ricos resolvam a situação. Mas não acho que isso aconteça, acho que a situação dos países ricos vai se arrastar porque as dívidas não foram equacionadas, não foram tomadas medidas à altura dos problemas que eles têm”, disse Mantega.

“Acredito que a situação pode piorar. Por isso, vamos tomar medidas para que a situação seja mais suave do que foi em 2008 e 2009. Não queremos o mergulho que vimos entre setembro e dezembro de 2008”, explicou Mantega.

Mantega anunciou hoje o aumento da meta de superávit primário para 2011 em torno de R$ 10 bilhões, o que corresponde de 0,25% a 0,30% do Produto Interno Bruto (PIB). Ele disse que o aumento da meta será para o governo central (formado por Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central). Assim, a economia desses órgãos passará de um pouco mais de R$ 81 bilhões para R$ 91 bilhões. Mantega afirmou que a medida ajudará aumentar os investimentos no País, manter o crescimento econômico e reduzir no médio e longo prazos a taxa básica de juros da economia (Selic).

Continua após a publicidade

LDO

O ministro da Fazenda disse que foi boa a receptividade dos líderes governistas em relação ao aumento da meta de superávit primário para 2011. Mantega antecipou a decisão do governo aos parlamentares que integram o Conselho de Coordenação Política. Segundo ele, a apresentação foi feita aos líderes porque, “no limite, parlamentares é que vão aprovar as medidas que estamos tomando”.

O governo encaminhará ao Congresso um projeto de lei alterando a Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) deste ano. “Vamos enviar um projeto de lei para alterar a LDO, onde está dito que o montante seria de R$ 117,8 bilhões. Vamos alterar para R$ 127,8 bilhões, com os R$ 10 bilhões a mais para esse ano”, disse Mantega.

O ministro explicou que o esforço fiscal adicional será realizado especialmente por Brasília e não pelos poderes regionais. “A responsabilidade será mais do governo central do que dos Estados”.

2012

Sobre as contas em 2012, Mantega afirmou que o plano do governo é cumprir a meta cheia. “Nós vamos continuar perseguindo a meta cheia. O governo sempre buscará a meta cheia. Já está assim porque tínhamos autorização para abater o PPI e o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e nós evitamos fazê-lo”.

Mantega reconheceu, no entanto, que o governo teve de lançar mão desse instrumento nos dois últimos anos. “Fizemos isso apenas nos últimos dois anos. Nos anos anteriores, não abatemos embora pudéssemos abater. Vamos continuar nessa sistemática”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)