Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Medicamentos terão novo recorde de vendas em 2013

Entre janeiro e outubro, as vendas de remédios acumulam 48,3 bilhões de reais, alta de 17% sobre igual período em 2012

Por Da Redação 1 dez 2013, 15h41

As vendas de medicamentos no Brasil devem encerrar o ano com crescimento de 13%. Se confirmadas as estimativas, alcançará a marca recorde de 56 bilhões de reais, de acordo com previsões das indústrias do setor. A expansão das farmacêuticas será puxada novamente pelos genéricos, que registram expansão robusta ano a ano, acima de dois dígitos, desde seu lançamento há treze anos.

No acumulado de janeiro a outubro, as vendas totais de remédios somam 48,3 bilhões de reais, um aumento de 17% sobre igual período do ano anterior, de acordo com dados da consultoria IMS Health. No mesmo período, as vendas só de genéricos atingiram 11,3 bilhões de reais, alta de 24%. Em 2012, as vendas de medicamentos totais foram de 49,6 bilhões de reais. “Esse resultado mostra que o mercado de genéricos tem se consolidado no país”, afirma Telma Salles, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (Pró Genéricos).

Leia também

SUS vai tratar com retroviral todos os portadores do vírus da aids

​Novos remédios revolucionam o combate ao câncer de próstata

De acordo com a entidade, desde que foram criados, os genéricos geraram 40,8 bilhões de reais em economia aos consumidores. Esses medicamentos, por lei, têm de ser, no mínimo, 35% mais baratos que os de referência (com patente). Até outubro, a participação dos genéricos na venda total de medicamentos representou 24% da receita. A expectativa é que essa fatia dobre nos próximos anos.

Continua após a publicidade

Apesar do crescimento tímido da economia para este ano, o setor de medicamentos vai crescer o equivalente a cinco vezes o Produto Interno Bruto (PIB), afirma Nelson Mussolini, presidente do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma). “O atual nível de emprego contribui em muito para a indústria”, diz. “Costumo dizer que um desempregado, quando tem dor de cabeça, apaga a luz do quarto e vai dormir. Agora, o momento é outro. O aumento de renda elevou o acesso da população aos medicamentos”, diz Mussolini.

Para 2014, as indústrias projetam crescimento parecido com o deste ano. A expectativa de expiração de dez patentes de medicamentos no próximo ano deverá impulsionar o segmento de genéricos. Segundo o presidente do Sindusfarma, não há previsões de grandes riscos que possam comprometer a expansão do setor no próximo ano. As indústrias deverão ter sua rentabilidade afetada, em razão do aumento dos custos de produção. “A folha de pagamentos subiu cerca de 8,5%. Sem contar o câmbio, que iniciou o ano a 1,80 real por dólar e deve encerrar perto de 2,40 reais. As indústrias importam cerca de 70% dos insumos para medicamentos”, diz Mussolini.

Patente. Levantamento da Pró Genéricos, com base nos dados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), mostra que dez produtos de referência (inovadores) terão as patentes vencidas. Esses dez produtos registraram receita nos últimos 12 meses de 761,6 milhões de reais no varejo farmacêutico brasileiro, de acordo com o IMS Health. Entre os medicamentos previstos para perder a patente estão o Cialis (para disfunção erétil) e o Cymbalta (antidepressivo e analgésico), ambos da Eli Lilly; Celebra (anti-inflamatório), da Pfizer; e o Avalox (antibiótico), da Bayer.

A expectativa é de que as indústrias produtoras de genéricos façam investimentos de 1,5 bilhão de dólares na ampliação da capacidade produtiva, desenvolvimento de novos genéricos, de acordo com a entidade. No país, há 102 laboratórios fabricantes de genéricos. No ranking das dez maiores empresas farmacêuticas, oito produzem ou têm linha de medicamentos genéricos.

Desde 2009, o setor tem sido alvo de um forte movimento de consolidação, com o interesse de multinacionais em comprar o controle ou participação em indústrias nacionais com o foco em genéricos, com objetivo de diversificar o seu portfólio. Essa tendência ganhou força depois com a redução de medicamentos blockbusters (campeões de venda).

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade