Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Marfrig investirá R$ 100 mi para produção de carne de baixo carbono

Por meio do Programa Verde+, lançado em 2020, o objetivo da empresa é uma pecuária livre de desmatamento e 100% rastreável até 2025

Por Luana Zanobia
1 dez 2023, 19h07

Durante a COP28, a Marfrig anunciou a antecipação de suas metas ambientais, investindo 100 milhões de reais no Programa Verde+. Lançado em 2020, o programa tem como objetivo estabelecer uma pecuária sustentável, livre de desmatamento e 100% rastreável até 2025, cinco anos antes do inicialmente planejado para 2030.

Segundo o diretor de Sustentabilidade e Comunicação da Marfrig, Paulo Pianez, a antecipação da meta reflete diretamente nos resultados sólidos alcançados pelo programa até o momento. Desde o início do programa até o terceiro trimestre deste ano, a Marfrig conseguiu atingir um controle de origem de indiretos de quase 85%, ou seja, um rastreamento significativo de indiretos, abrangendo 71% do cerrado. “Esses números expressivos indicam o sucesso do programa, especialmente na incorporação e identificação eficiente de indiretos”, diz. “Essa eficácia nos resultados nos permite ampliar nossas ambições e, por isso, decidimos antecipar a meta inicialmente planejada para 2030 para o ano de 2025.”

Buscando se posicionar na vanguarda da sustentabilidade, a Marfrig implementará ações de recuperação de 100.000 hectares de pastagens degradadas e a restauração de 6.000 hectares de florestas nativas. A intensificação da agropecuária regenerativa visa aumentar a produtividade sem comprometer a vegetação nativa. 

Além disso, a Marfrig pretende melhorar a genética do rebanho, reduzindo o tempo de preparação dos animais para abate e integrando fazendas de confinamento. A utilização de tecnologias de medição de carbono no solo, em parceria com a Agrorobótica, visa gerar créditos certificados.

Continua após a publicidade

A certificação de carne baixo carbono e carne carbono neutro, em colaboração com a Embrapa, destaca o compromisso da Marfrig em mitigar a pegada de carbono no setor, ciente de que a pecuária é um grande emissor de gases poluentes. “Acreditamos firmemente que o Brasil oferece um cenário propício para a restauração ecológica, apresentando inclusive oportunidades de geração de créditos de carbono, uma medida que pode proporcionar compensações financeiras aos produtores”, diz.

Segundo Pianez, dos 160 milhões de hectares destinados à agropecuária no Brasil, notadamente em pastagens, cerca de 40 milhões de hectares encontram-se degradados. “A recuperação dessas áreas, tornando-as produtivas novamente, não apenas representa uma contribuição substancial, mas também desempenha um papel crucial na redução da pressão pela supressão de novas áreas.” A proteção à biodiversidade, através do resgate e reabilitação de animais silvestres no Pantanal em colaboração com a Ampara Silvestre, completa as ações da Marfrig. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.