Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mantega e Graça Foster divergem sobre reajuste da gasolina

Ministro diz que estatal não está pedindo aumento do preço da gasolina. No mesmo dia, Graça Foster diz o contrário

O governo e a Petrobras parecem estar longe de um acordo sobre o aumento do preço da gasolina. Reportagem da ‘Folha de S. Paulo’ desta quarta-feira afirmou, citando fontes da empresa, que o reajuste deve ocorrer em 2013 e pode chegar a 15%. Contudo, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, rapidamente veio a público com uma negativa: disse, nesta tarde, que não existe demanda da Petrobras para aumentar novamente os preços dos combustíveis. “A dificuldade que a Petrobras enfrenta é na entrega de algumas encomendas por parte de fornecedores”, disse.

Só que na mesma tarde, a presidente da estatal, Graça Foster, deu declarações sobre o tema depois de receber a Medalha do Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados, em Brasília. “Evidentemente se espera um aumento. A depender do comportamento do brent (petróleo cru) e do câmbio, a necessidade se tornará mais permanente”, afirmou a executiva, sem especificar o prazo nem o valor do aumento. O reajuste depende, segundo ela, do comportamento do câmbio e do petróleo no mercado externo. Mas o temor do governo é de que esse aumento pressione a inflação no Brasil.

É ponto pacífico entre analistas do setor de óleo e gás que a Petrobras vem batalhando junto ao governo um aumento no preço do combustível – algo que não ocorre desde 2006. Nos últimos meses, a pressão da empresa tem aumentado, sobretudo após a divulgação de seus resultados do segundo trimestre, que mostraram o primeiro prejuízo em 13 anos e colocaram em xeque o caixa da empresa. Assim, a negativa de Mantega evidencia não só o intervencionismo sobre a empresa, mas também a falta de diálogo. Graça vem afirmando, desde o início do segundo semestre, que o reajuste será inevitável.

A presidente da estatal não quis dar mais detalhes sobre o aumento da gasolina. Preferiu evidenciar os resultados de sua gestão no comando da empresa. Segundo ela, a Petrobras se encontra com “uma caixa muito saudável” e a situação “está absolutamente sob controle”.

Choque de gestão – As mudanças feitas pela executiva na gestão da Petrobras foram tema de extensa reportagem da revista britânica ‘The Economist’ desta semana. A estatal, de acordo com a matéria, agora entende que precisa concentrar seus esforços na extração de petróleo e não servir como veículo desenvolvimentista do governo. A ‘Economist’ cita frases da executiva que nada lembram a postura populista de seu antecessor, José Sérgio Gabrielli. “A Petrobras não acredita que o desenvolvimento do país seja o seu foco de atuação. Nem todo projeto que é bom para o país será executado, pois nem todos são economicamente viáveis”, afirmou.

As mudanças, nas palavras da presidente, estão sendo feitas em quatro partes e já são conhecidas pelo mercado: venda de ativos no exterior; metas individuais de desempenho para cada plataforma e gestor; melhoria nos controles de custo; e manutenção aprimorada. A executiva contou que, até o final de 2012, cada funcionário receberá uma carta assinada por ela mostrando as metas de cortes de custo.