Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mantega diz que controle da inflação é prioridade

Em evento para investidores em Nova York, ministro da Fazenda reforça confiança na política econômica para atrair capital estrangeiro para o país

Por Da Redação - 26 fev 2013, 15h30

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira que o controle da inflação é prioridade para o governo e que a meta de inflação deste ano será cumprida.

“Vamos cumprir novamente em 2013 as metas de inflação”, garantiu Mantega a investidores em Nova York, durante evento para promover as concessões do governo. “Controlar a inflação é prioridade”, completou ele.

A meta oficial do governo é de 4,5% pelo IPCA, com margem de dois pontos porcentuais para mais ou para menos. Atualmente, o indicador encontra-se pouco acima de 6% em 12 meses, com pressão dos preços de alimentos e despesas pessoais.

Mantega afirmou que o rápido desenvolvimento trouxe volatilidade ao câmbio e forçou o governo a implementar controles de capital, como o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) em vários produtos.

Continua após a publicidade

“Hoje temos um câmbio estabilizado num patamar mais realista e com baixa volatilidade”, afirmou Mantega.

Leia também:

Mantega afirma que inflação não é problema

Banco Central admite pela primeira vez que inflação ficará longe da meta

Continua após a publicidade

“Dependendo da inflação, vamos ajustar a política monetária”, diz Tombini

Enquanto alguns desses impostos, que diminuíram o fluxo de dinheiro especulativo que entra no país, foram removidos, ele disse que não há planos para eliminar todos eles.

Questionado se o governo estava considerando remover o IOF sobre renda fixa para investidores estrangeiros, Mantega respondeu: “Não, não para a renda fixa.”

Mais retorno – Mantega disse ainda esperar que os investidores tenham taxas de retornos acima de 10% ao ano nos seus projetos de infraestrutura, acima dos cerca de 5,5% anunciados anteriormente.

Continua após a publicidade

A economia brasileira tem mostrado dificuldades em alavancar sua recuperação. No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) deve ter crescido cerca de 1% e, para este ano, a expectativa é de que ficará em torno de 3%.

Leia também:

Inflação de janeiro é a maior para o mês desde 2003

Mantega volta a negar que dólar mais baixo é resposta à inflação

Continua após a publicidade

Mercado reduz projeção de inflação e melhora expectativa para o PIB

(Com agência Reuters)

Publicidade