Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mantega desautoriza diretor do FMI sobre apoio à Grécia

O ministro ligou para Christine Lagarde para dizer que apoia o empréstimo financeiro à economia grega. Na quarta, o representante brasileiro na entidade, Paulo Nogueira Batista, se manifestou contrário à ajuda

Por Da Redação 1 ago 2013, 14h08

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, ligou nesta quinta-feira para a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e desautorizou o representante brasileiro na entidade, Paulo Nogueira Batista, afirmando que o Brasil apoia o plano de ajuda à Grécia, informou a assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda. Batista representa não só o Brasil, mas onze países da América Latina no Fundo.

Na conversa, Mantega disse a Lagarde que Batista deu o voto sem autorização do governo brasileiro e que mandou chamar o representante imediatamente para pedir explicações. Segundo a assessoria do ministério, o FMI ainda não sabe se pode reverter o voto. A conversa entre o ministro e a diretora-gerente do FMI evidencia o mal estar causado pelo posicionamento de Batista à revelia do governo brasileiro.

Leia também:

FMI avalia pedido do Brasil para mudar cálculo da dívida

Latino-americanos não apoiam nova ajuda do FMI à Grécia

Continua após a publicidade

FMI diz que inflação é alta no Brasil e pede mais aperto monetário

Na quarta-feira, depois de se abster em votação, Batista manifestou seu posicionamento contrário à ajuda financeira do FMI à economia grega. Ele criticou a decisão do Fundo de liberar 1,7 bilhão de dólares para o país e citou haver riscos de não pagamento.

Foi bastante incomum o uso de um comunicado público – que destacava a frustração das economias emergentes com a política de resgate a países europeus endividados adotada pelo FMI.

Depois da repercussão negativa do comunicado, Batista divulgou, ainda na quarta-feira, uma nota para esclarecer que suas avaliações sobre a decisão do Fundo em relação à Grécia representam uma visão pessoal e não refletem o posicionamento dos onze países por ele representados na diretoria executiva do FMI.

A dívida grega só será sustentável seu os demais países da zona do euro cumprirem a promessa de oferecer um maior alívio creditício a Atenas. A oferta está atrelada à realização de dolorosos cortes orçamentários e reformas que contribuem para manter a economia do país em recessão.

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade